Reação a balanços de Magalu e JBS, resultados de Eletrobras e Cosan e o que mais move o mercado

Bolsas americanas caminham para maior sequência de altas semanais desde novembro do ano passado
E-commerce: maiores varejistas do país registram prejuízo no segundo trimestre (Karl Tapales/Getty Images)
E-commerce: maiores varejistas do país registram prejuízo no segundo trimestre (Karl Tapales/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 12/08/2022 às 07:20.

Última atualização em 12/08/2022 às 07:40.

Bolsas internacionais voltam a subir nesta sexta-feira, 12, com investidores dando continuidade ao rali da desinflação após uma breve pausa na véspera. Índices de Wall Street caminham para fechar em alta a semana, marcada por dados da inflação americana abaixo do esperado.

Se confirmada, esta será a quarta alta semanal das bolsas de Nova York, a mais longa sequência positiva desde o início de novembro do ano passado.

Sinalizações de que a inflação dos Estados Unidos já passou do pico e a maior aposta sobre redução do ritmo de alta de juros do Fed contribuíram com o bom humor de investidores.

No mercado brasileiro, o Ibovespa acumula ganhos de mais de 3% na semana -- e, a menos que desastre ocorre durante o pregão de hoje, deve confirmar sua quarta alta semanal seguida. No último pregão, porém, o índice interrompeu sua sequência de ganhos diários ao fechar em queda após sete pregões positivos.

Sem grandes dados macroeconômicas previstos para esta sexta no Brasil e Estados Unidos, os principais indicadores do dia ficaram com a Europa.

O mais importante foi o PIB do Reino Unido do segundo trimestre, que recuou de 8,7% para 2,9%, com contração trimestral de 0,1%. Ainda que negativos, os números saíram melhores que o consenso, que era de queda do PIB para 2,8% na comparação anual e de retração de 0,2% no trimestre. Bolsas da Europa, incluindo a de Londres, sobem nesta manhã.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h30 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,34%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,40%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,48%
  • FTSE 100 (Londres): + 0,38%
  • DAX (Frankfurt): + 0,47%
  • CAC 40 (Paris): + 0,24%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: + 0,46%
  • Shangai Composite (Xangai)*: - 0,15%

Reação à série de balanços

No Brasil, as atenções devem seguir com a agenda de balanços. Investidores irão reagir nesta sexta ao caminhão de resultados divulgados na última noite. Foram cerca de 50 somente ontem.

Entre os resultados mais aguardados estiveram os das maiores empresas de varejo do país: Via (VIIA3), Magazine Luiza (MGLU3)e Americanas (AMER3). Todas elas registraram prejuízos no segundo trimestre.

Já a B3 (B3SA3), JBS (JBSS3), Marfrig (MRFG3), Raízen (RAIZ4) e Natura foram algumas das gigantes da bolsa a terem reportado seus números do segundo trimestre. Somente Marfrig e Raízen, entre elas, aumentaram seus lucros frente ao mesmo período do ano passado.

Resultados do dia

Apesar da série intensa de resultados, a temporada de balanços ainda não chegou ao fim. Para após o encerramento do pregão desta sexta, estão previstos os balanços da Eletrobras (ELET3), Cosan (CSAN3), Mobly (MBLY3), M. Dias Branco (MDIA3) e Cemig (CMIG4). O balanço da Ser Educacional (SEER3) deve sair ainda antes da abertura dos negócios.

Veja também: