Prévia do payroll, reunião da Opep, produção industrial e o que mais move o mercado

Cautela volta a predominar no mercado internacional após dias de rali de alta nas bolsas; investidores aguradam dados de criação de empregos nos Estados Unidos
Placa de "Estamos aceitando pedidos de emprego" nos Estados Unidos (Courtney Pedroza/Bloomberg via/Getty Images)
Placa de "Estamos aceitando pedidos de emprego" nos Estados Unidos (Courtney Pedroza/Bloomberg via/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 05/10/2022 às 07:29.

Última atualização em 05/10/2022 às 07:46.

Bolsas internacionais recuam na manhã desta quarta-feira, 5, pondo um fim ao intenso rali de alta do início de outubro. Os índices S&P 500 e Nasdaq subiram mais de 5% nos últimos dois dias, mas recuam no mercado de futuros, seguindo as perdas da Europa. Único destaque positivo nesta manhã foi a bolsa de Hong Kong, que não absorveu os ganhos do dia anterior por estar fechada e voltou de feriado em disparada de 5,90%.

A maior cautela no Ocidente ocorre às vésperas da divulgação dos dados do mercado de trabalho americano medidos pelo ADP. Os números são considerados uma prévia para o payroll de sexta-feira, 7, e sempre têm o potencial de mudar o humor de investidores, para o bem ou para o mal.

A expectativa é de que o ADP revele a criação de mais 200.00 privados em setembro ante 132.000 do mês anterior. Indicações de que o mercado de trabalho segue pujante nos Estados Unidos tendem a reduzir a esperança de que o Federal Reserve não precisará subir tanto sua taxa de juros para controlar a inflação no país. Essa percepção, que se tornou crescente a partir de dados mais fracos do início da semana, foi um dos principais catalisadores do rali recente.

O rendimento dos títulos do tesouro americano, reflexo das projeções de juros no país, volta a subir nesta manhã, após ter afundado nos últimos dias. No exterior, o dólar segue a mesma toada.

Os números do mercado de trabalho americano se tornaram peça-chave no quebra-cabeça do Fed, devido à pressão de salários na inflação. O rendimento médio por hora nos Estados Unidos acumula alta de 5,2% em 12 meses, sendo que o crescimento girava próximo de 3% antes da pandemia.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h30 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): - 0,85%
  • S&P 500 futuro (Nova York): - 0,81%
  • Nasdaq futuro (Nova York): - 1,03%
  • DAX (Frankfurt): - 0,73%
  • CAC 40 (Paris): - 1,09%
  • FTSE 100 (Londres): - 1,07%
  • Stoxx 600 (Europa): - 1,00%
  • Hang Seng (Hong Kong): + 5,90

Produção industrial

No Brasil, o principal indicador do dia será o referente à produção industrial de agosto, para a qual a projeção do mercado é de queda de 0,6% frente ao mês anterior e de alta de 2,5% na comparação anual.

Reunião da Opep

No radar de investidores também segue a reunião da Opep desta quarta, que pode definir por uma corte de produção de petróleo a fim de manter os preços em níveis elevados. A expectativa de menor oferta somada ao rali por ativos de risco dos últimos dias colocou o preço do brent de volta á casa dos US$ 90. No entanto, a commodity opera em leve queda nesta manhã.

IMC

A International Meal Company (MEAL3) concluiu a venda de nove lojas da marca Carl's Jr. no Panamá para a empresa Excelencia y Superación. A venda, segundo a IMC, visa "simplificar sua estrutura e reduzir a alavancagem financeira".