Powell precisará acabar com o otimismo das bolsas, diz Principal

O S&P 500 caminha para sua quinta semana consecutiva de ganhos após devolver metade das perdas registradas entre o pico de janeiro e o fundo de junho
Estados Unidos: O mercado de títulos está muito negativo em relação às perspectivas de crescimento, enquanto o mercado de ações parece muito otimista sobre praticamente tudo (Jackyenjoyphotography/Getty Images)
Estados Unidos: O mercado de títulos está muito negativo em relação às perspectivas de crescimento, enquanto o mercado de ações parece muito otimista sobre praticamente tudo (Jackyenjoyphotography/Getty Images)
B
Bloomberg

Publicado em 18/08/2022 às 16:05.

Última atualização em 18/08/2022 às 16:17.

Os investidores de ações vão querer ouvir os conselhos que a chefe global de estratégia da Principal Global Investors, Seema Shah, oferece ao presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. Isso porque, caso ele siga a recomendação em Jackson Hole, na próxima semana, o mercado irá caminhar para uma queda.

Powell e seus seus colegas que participarão do simpósio de 25 a 27 de agosto em Wyoming “precisarão conversar com o mercado de ações”, disse Shah ao Bloomberg Surveillance, na Bloomberg TV nesta quinta-feira.

“Há uma divisão entre o mercado de ações e o mercado de títulos”, acrescentou. “O mercado de títulos está muito negativo em relação às perspectivas de crescimento, enquanto o mercado de ações parece muito otimista sobre praticamente tudo. É daí que vem a flexibilização das condições financeiras no mês passado.”

O S&P 500 caminha para sua quinta semana consecutiva de ganhos após devolver metade das perdas registradas entre o pico de janeiro e o fundo de junho, apesar das evidências de que uma recessão está próxima.

Enquanto isso, a lacuna amplamente observada entre rendimentos dos treasuries americanos de dois e 10 anos passou de cerca de 5 pontos base em julho para -37 na quinta-feira. A tendência dos títulos do Tesouro de curto prazo renderem um prêmio sobre a dívida de longo prazo é amplamente considerada um prenúncio de mal-estar econômico.

Shah vê a recente recuperação do mercado de ação como equivocada, uma vez que o Fed ainda enfrenta a inflação mais rápida em décadas, mesmo depois de aumentar a taxa básica de juros para até 2,5% de quase zero este ano.

Powell tem “que resistir à flexibilização das condições financeiras”, disse ela. “Eles precisam desacelerar a economia. E é isso que está acontecendo nas últimas semanas, à medida que o mercado se tornou um pouco mais dovish. Infelizmente, o mercado desfez muito do trabalho árduo que o Fed vinha fazendo nos meses anteriores.”

Alguns investidores em ação estão adotando a visão de que, se a economia desacelerar o suficiente, o Fed deixará de aumentar as taxas mais cedo do que o previsto. Os banqueiros centrais “precisam voltar ao controle da situação”, disse Shah. “Isso significa que ele precisa jogar um jogo muito hawkish na próxima semana e espero que seja suficiente para convencer o mercado.”

Ela acredita que o presidente do Fed precisa reconhecer que a economia “está desacelerando e provavelmente desacelerará ainda mais. Então ele tem que dizer que, apesar da desaceleração do crescimento econômico, eles ainda precisam continuar aumentando as taxas. Eles têm que fazer isso porque conter a inflação é a prioridade número um. É isso que precisamos ouvir de Powell na próxima semana.”