PIX parcelado e cripto: os planos da CSU (CARD3) para se reposicionar no mercado

Mudança de nome para CSU.Digital faz parte de estratégia de reestruturação
 (CSU.Digital/Divulgação)
(CSU.Digital/Divulgação)
Beatriz Quesada
Beatriz QuesadaPublicado em 26/07/2022 às 09:02.

A CSU (CARD3), empresa de tecnologia e soluções financeiras, quer mudar sua imagem no mercado. Para além do processamento de cartões – pelo qual a companhia é reconhecida desde sua fundação, há 30 anos –, o objetivo é se posicionar como uma provedora completa de soluções tecnológicas.

A mudança começou no próprio nome, que passou de CSU.CardSystem para CSU.Digital. Segundo Bruno Godinho, diretor de produtos (CPO) da CSU.Digital, a alteração reforça a diversidade de soluções oferecidas pela casa, que vão além dos meios de pagamento, seu carro-chefe. A CSU conta ainda com serviços de banking as a service (BaaS), experiência do consumidor e fidelização e incentivo de clientes.

O passo seguinte foi o desenvolvimento de novos produtos que refletissem a ambição da companhia de se integrar à economia digital. O resultado são dois novos produtos: o PIX parcelado e o pagamento de faturas via criptomoedas.

“Temos um portfólio completo de serviços financeiros e, com o lançamento dos novos produtos, queremos nos posicionar cada vez para processar qualquer tipo de operação”, afirma Bruno Godinho, diretor de produtos (CPO) da CSU.Digital, em entrevista à EXAME Invest.

PIX parcelado

A CSU seguiu o exemplo de grandes bancos e passou a oferecer o PIX parcelado para seus clientes. A ferramenta oferece a possibilidade dos consumidores finais dividirem o pagamento do PIX em parcelas, como uma linha de crédito, utilizando o limite já oferecido pelo cartão de crédito. 

O benefício é oferecer mais uma oferta de financiamento - e, desta vez, instantânea, sem a necessidade de uma nova concessão de crédito. O PIX parcelado aparece dentro da fatura do cartão de crédito, permitindo que o cliente “não busque financiamento em outro lugar”.

“A vantagem para o nosso emissor é fazer uma oferta rápida de crédito parcelado sem desenvolvimento interno. Fazemos todo o processamento da experiência, cálculo de juros. Para o portador do cartão, é uma experiência unificada”, defende Godinho.

Veja também

Pagamento de faturas com criptomoedas

O mercado de criptoativos no Brasil já é o quinto maior do mundo e, considerando esse tamanho, um processador de pagamentos não poderia ficar de fora desse mercado. Segundo o CPO, foi esse pensamento que levou a CSU a criar uma solução de pagamento de faturas com criptomoedas.

A empresa conecta a plataforma de pagamentos com as corretoras, permitindo a liquidação instantânea da compra.

“A demanda por pagamentos em cripto ainda não é forte, mas é onde encontramos um meio de entrar nesse mercado, entender como ele funciona junto com os nossos clientes e, a partir daí, oferecer outras soluções”, afirma Godinho.

O executivo comenta que as soluções em criptoativos já são discutidas há tempos dentro da CSU, e que o lançamento é um posicionamento importante para o mercado. “Conseguimos dizer agora que processamos diversas moedas, inclusive cripto”, diz.  

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Veja Também

Nubank tem problemas com pagamentos do Pix nesta sexta-feira
Minhas Finanças
Há 2 dias • 1 min de leitura

Nubank tem problemas com pagamentos do Pix nesta sexta-feira

Abertura de conta digital supera a física pela primeira vez no Brasil
Minhas Finanças
Há 2 semanas • 4 min de leitura

Abertura de conta digital supera a física pela primeira vez no Brasil

PIX e criptomoedas podem atuar lado a lado no Brasil
Um conteúdo Bússola
Há 2 semanas • 4 min de leitura

PIX e criptomoedas podem atuar lado a lado no Brasil

Nubank (NUBR33) lança Pix parcelado
Minhas Finanças
Há 2 semanas • 2 min de leitura

Nubank (NUBR33) lança Pix parcelado

Em tempos de Pix, brasileiros ainda emitem 200 milhões de cheques ao ano
Minhas Finanças
Há 3 semanas • 3 min de leitura

Em tempos de Pix, brasileiros ainda emitem 200 milhões de cheques ao ano