Invest

Petrobras (PETR4) aceita acordo tributário: isso impacta os dividendos?

Companhia terá de pagar R$ 19,8 bilhões por cobranças de impostos relacionadas a contratos referentes ao período de 2008 a 2013

Petrobras: acordo envolve pagamento de R$ 19,8 bilhões ao governo (Wilson Melo/Agência Petrobras)

Petrobras: acordo envolve pagamento de R$ 19,8 bilhões ao governo (Wilson Melo/Agência Petrobras)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 18 de junho de 2024 às 14h11.

Última atualização em 18 de junho de 2024 às 14h33.

Tudo sobrePetrobras
Saiba mais

O acordo da Petrobras (PETR3/PETR4) com o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) foi bem recebido por investidores, com as ações da estatal chegando a subir 2% no pregão desta terça-feira, 18. O acordo envolve um contencioso tributário relacionado à incidência de tributos como IRRF, Cide, PIS e Cofins, vinculados a contratos de afretamento e prestação de serviços. Nesses contratos, referentes ao período de 2008 a 2013, a maior parte dos valores era firmada como afretamentos, com menor incidência tributária, e apenas uma menor parte como prestação de serviços.

Para resolver o imbróglio, o Carf e a Petrobras chegaram a um acordo para um desconto de 65%, resultando em um pagamento de R$ 19,8 bilhões. Desse valor, R$ 6,65 bilhões serão pagos com depósitos judiciais já realizados e R$ 1,29 bilhão com créditos de prejuízos fiscais de subsidiárias. Os R$ 11,85 bilhões restantes serão pagos com uma entrada de R$ 3,57 bilhões em 30 de junho e o restante em seis parcelas mensais de R$ 1,38 bilhão cada uma, começando em 31 de julho. A Petrobras ainda afirmou que cerca de 13% do contencioso é de responsabilidade de parceiros em consórcios de E&P, e está negociando o ressarcimento desses valores.

Impacto nos dividendos

Analistas do Goldman Sachs ressaltaram que o acordo com o Carf é uma notícia positiva para a ação, uma vez que reduz as incertezas relacionadas ao valor a ser pago pela Petrobras. Por outro lado, o banco americano prevê o risco de os pagamentos afetarem os dividendos no curto prazo. Considerando todos os eventuais abatimentos e ressarcimentos, os analistas preveem uma redução do impacto no fluxo de caixa de R$ 11,85 bilhões para aproximadamente R$ 3,24 bilhões.

Além da menor incerteza, o BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME) avalia que o acordo é favorável à Petrobras por considerar um desconto acima do que o mercado vinha esperando. E, embora reconheçam o potencial impacto nos dividendos no curtíssimo prazo, o BTG afirmou que "não há motivos para acreditar que a previsão de dividendos para os próximos 12 meses mudará materialmente".

O impacto nos dividendos, segundo contas da XP, será de R$ 1,6 bilhão no resultado do primeiro trimestre e de R$ 1,3 bilhão nos próximos dois trimestres até o fim do ano, considerando um payout de 45%. Essa redução, segundo os analistas, seria próxima de 1,15% do yield. "Mas o impacto sobre os dividendos em 2024 pode ser ainda menor, dependendo do momento dos fluxos de entrada do reembolso dos parceiros e do reconhecimento da proteção fiscal."

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasAçõesDividendos

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira prêmio acumulado em R$ 47 milhões

Ações da Volvo sobem 7% enquanto investidores aguardam BCE

Caixa começa a pagar nesta quinta-feira o Bolsa Família de julho; veja calendário

Reunião de Lula sobre corte de gastos e decisão de juros na Europa: o que move o mercado

Mais na Exame