Invest

Petrobras assina memorando com Rio Grande do Norte para piloto da 1ª eólica offshore no Brasil

Estatal também assinou protocolo de intenções com a Abiquim para avaliar oportunidades em gás e energia

Petrobras: companhia mira as fontes de energias renováveis, mas também deseja expandir atuação em fontes não renováveis (Wilson Melo/Agência Petrobras)

Petrobras: companhia mira as fontes de energias renováveis, mas também deseja expandir atuação em fontes não renováveis (Wilson Melo/Agência Petrobras)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 29 de abril de 2024 às 11h48.

Última atualização em 29 de abril de 2024 às 12h03.

O presidente da Petrobras (PETR4), Jean Paul Prates, assina nesta segunda-feira, 29, um memorando de entendimento (MOU) com o governo do Rio Grande do Norte para a instalação de uma usina eólica offshore no estado, conforme divulgado no mês passado. A expectativa é de que a unidade comece a operar em 2029.

Este será o primeiro projeto piloto de geração de energia offshore no Brasil. A estatal já havia implantado um projeto piloto no passado, mas que não foi para a frente.

O Rio Grande do Norte é líder na produção de energia eólica no Brasil, com 295 parques em operação. Sua produção corresponde a 32% de toda a geração de energia eólica do país.

O estado também é líder em potência em operação, com 9,59 gigawatts (GW). À parte dos parques eólicos que já estão em operação, o estado possui, à espera de licença do Ibama, 14 complexos eólicos offshore na costa potiguar, num potencial estimado de 25,5 GW de geração de energia.

Oportunidades em gás e energia

A Petrobras também informou nesta segunda que assinou um protocolo de intenções com a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) para a área de gás e energia. Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa diz que o objetivo do acordo é desenvolver oportunidades para a Petrobras e os associados da entidade, a fim de identificar novos potenciais negócios nas áreas de gás natural e energia.

O documento foi assinado no dia 15 de abril e tem prazo de vigência de um ano, com possibilidade de prorrogação. Fundada há 60 anos, a Abiquim é uma associação sem fins lucrativos e congrega indústrias químicas de grande, médio e pequeno portes, bem como prestadores de serviços do setor.

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasPETR4PETR3Energia eólica

Mais de Invest

O que é private equity e como funciona?

Quanto rendem R$ 20 mil por mês na poupança?

CD americano x CDB brasileiro: quais as diferenças e qual vale mais a pena investir

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Mais na Exame