Peso argentino cai 17,6% na semana em meio à crise financeira

Peso caiu para mínima recorde após resultado das eleições primárias de domingo, onde a oposição foi vencedora
Peso argentino: no acumulado do ano, a moeda acumula queda de 31,45% (Getty Images/Enrique Marcarian)
Peso argentino: no acumulado do ano, a moeda acumula queda de 31,45% (Getty Images/Enrique Marcarian)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 16/08/2019 17:04 | Última atualização em 16/08/2019 17:04Tempo de Leitura: 1 min de leitura

O peso argentino continuou sua recuperação nesta sexta-feira, embora tenha fechado a semana com forte depreciação, em meio a preocupações de investidores sobre o impacto de novas medidas econômicas tomadas pelo governo, disseram operadores.

A moeda encerrou o dia com um avanço de 4,36%, para 54,60/55,00 pesos por dólar, fechando a semana com uma depreciação de 17,58%. No acumulado do ano, o peso acumula queda de 31,45%.

O peso caiu para uma mínima recorde nesta semana, após o resultado das eleições primárias de domingo, onde a oposição foi vencedora por uma diferença esmagadora.

Em meio à crise financeira desencadeada pela derrota nas urnas, o presidente Mauricio Macri buscou reduzir o impacto social da forte depreciação da moeda local com a eliminação temporária de imposto sobre o consumo de alimentos básicos. A medida é válida até dezembro, quando começa um novo mandato presidencial.

Nesta sexta, a agência de classificação de risco de crédito Fitch reduziu a nota do país de "B" para "CCC", devido a instabilidades na condução da política econômica, como as medidas anunciadas por Macri de expansão de gastos