Acompanhe:

ONU pede que Musk garanta respeito aos direitos humanos no Twitter

A plataforma anunciou na sexta-feira a demissão de cerca de 50%" de seus 7.500 funcionários no mundo

Demissão em massa: cortes afetaram muitas áreas da companhia (Al Drago/Bloomberg/Getty Images)

Demissão em massa: cortes afetaram muitas áreas da companhia (Al Drago/Bloomberg/Getty Images)

A
AFP

5 de novembro de 2022, 18h38

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Turk, exortou neste sábado (5) o novo proprietário do Twitter, Elon Musk, a garantir o respeito a esses direitos na rede social.

Informações de que Musk demitiu toda a equipe da empresa responsável pelo tema "não são, na minha perspectiva, um bom começo", escreveu Turk em uma carta aberta.

O diplomata declarou sua "preocupação e apreensão" com "o papel do Twitter" no espaço público digital.

A plataforma anunciou na sexta-feira a demissão de "cerca de 50%" de seus 7.500 funcionários no mundo, uma semana depois de ser adquirida por Musk, o homem mais rico do planeta, por 44 bilhões de dólares.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

“Como todas as empresas, o Twitter precisa entender os danos relacionados à sua plataforma e adotar medidas para resolvê-los”, escreveu o alto comissário da ONU.

"O respeito pelos nossos direitos humanos comuns deve ser o parapeito do uso e evolução da plataforma", acrescentou.