• AALR3 R$ 19,90 0.76
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,51 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,62 0.55
  • AERI3 R$ 3,68 -1.87
  • AESB3 R$ 10,95 2.91
  • AGRO3 R$ 31,74 -1.00
  • ALPA4 R$ 21,81 0.05
  • ALSO3 R$ 19,79 0.51
  • ALUP11 R$ 26,36 0.42
  • AMAR3 R$ 2,28 2.24
  • AMBP3 R$ 29,57 -0.61
  • AMER3 R$ 22,57 -2.08
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,53 2.79
  • ARZZ3 R$ 81,93 -0.68
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 20,76 0.39
  • B3SA3 R$ 11,45 -0.17
  • BBAS3 R$ 35,28 0.48
  • AALR3 R$ 19,90 0.76
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,51 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,62 0.55
  • AERI3 R$ 3,68 -1.87
  • AESB3 R$ 10,95 2.91
  • AGRO3 R$ 31,74 -1.00
  • ALPA4 R$ 21,81 0.05
  • ALSO3 R$ 19,79 0.51
  • ALUP11 R$ 26,36 0.42
  • AMAR3 R$ 2,28 2.24
  • AMBP3 R$ 29,57 -0.61
  • AMER3 R$ 22,57 -2.08
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,53 2.79
  • ARZZ3 R$ 81,93 -0.68
  • ASAI3 R$ 15,43 -0.32
  • AZUL4 R$ 20,76 0.39
  • B3SA3 R$ 11,45 -0.17
  • BBAS3 R$ 35,28 0.48
Abra sua conta no BTG

Onde investir com a alta dos juros nos EUA? Goldman tem a resposta

Múltiplos de empresas negociadas em bolsas europeias estão menos esticados, e ações são menos sensíveis ao aumento dos juros, apontam estrategistas do banco
Bandeiras da União Europeia em frente a prédio do bloco em Bruxelas, na Bélgica| Foto: Yves Herman/Reuters (Reuters/Yves Herman)
Bandeiras da União Europeia em frente a prédio do bloco em Bruxelas, na Bélgica| Foto: Yves Herman/Reuters (Reuters/Yves Herman)
Por BloombergPublicado em 06/01/2022 14:39 | Última atualização em 06/01/2022 15:12Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Nikos Chrysoloras*

As bolsas europeias são um bom abrigo para se proteger da onda de desvalorização das ações globais desencadeada pela perspectiva de alta mais forte dos juros nos Estados Unidos. A recomendação é de estrategistas do Goldman Sachs.

“O aumento dos juros deve favorecer as bolsas europeias, considerando a maior parcela de setores de menor duração e sensíveis a juros que compõem o índice de referência do continente", escreveram estrategistas liderados por Sharon Bell em nota divulgada nesta quinta-feira, dia 6 de janeiro.

A Europa também se diferencia dos Estados Unidos porque “os múltiplos em grande parte do mercado não parecem particularmente esticados em relação ao que se via no passado”, acrescentaram.

A derrapada do mercado global começou nos Estados Unidos na quarta-feira, dia 5, após a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, banco central americano, que sinalizou aumentos de juros mais agressivos do que muitos previam.

Ações de empresas de tecnologia — que têm valor com base nas expectativas de crescimento futuro — foram alvo de uma onda vendedora por causa dos múltiplos ainda elevados.

Nos mercados europeus, as oscilações foram bem menores do que nos Estados Unidos e Ásia.

Conheça os fundos e os ETFs com exposição às ações na Europa. Leia os relatórios do BTG Pactual 

O índice de referência Stoxx 600 chegou a recuar 1,6% antes da abertura do pregão nesta quinta-feira, mas amenizou a queda. O índice permanece em território positivo de 0,2% neste ano, enquanto o S&P 500 caiu 1,4%, e o Nasdaq, concentrado em papéis de tecnologia, já perdeu 3,4% em 2022.

Embora as bolsas europeias tenham apresentado desempenho consistentemente inferior ao de seus pares nos Estados Unidos desde a crise financeira global de 2008, agora “a balança está se inclinando ligeiramente a favor da Europa”, na opinião dos estrategistas do Goldman.

Uma grande diferença é a política fiscal, com planejado aumento de gastos na Europa, incluindo um pacote de estímulos associado à sustentabilidade, enquanto o suporte fiscal tende a diminuir nos Estados Unidos.

Paralelamente, a “diferença em termos de lucros está se estreitando”, já que as estimativas de lucro futuro por ação estão melhores na Europa do que nos Estados Unidos no último ano, afirmou o relatório.

Os estrategistas recomendam ações de bancos e empresas de energia na Europa e destacaram o setor de saúde como sua área de crescimento preferida com ações “baratas”.

O Goldman não está sozinho no entendimento de que o mercado europeu se sairá vencedor no retorno à normalidade monetária após a pandemia. “As ações europeias podem cambalear com o primeiro aumento de juros pelo Fed, mas geralmente acabam se recuperando”, escreveram estrategistas do Citigroup liderados por Beata Manthey em nota distribuída na quarta-feira.

“Rendimentos mais altos podem ajudar transações tradicionais com ativos de valor, como ações do Reino Unido e do setor financeiro do continente europeu”, acrescentaram.

Veja Também

O que mudou nas regras do auxílio-doença?
Carreira
Há 3 horas • 3 min de leitura

O que mudou nas regras do auxílio-doença?

Gol troca de presidente pela primeira vez em dez anos
Negócios
Há 3 horas • 2 min de leitura

Gol troca de presidente pela primeira vez em dez anos

Cripto movimentou R$ 5 bilhões na B3 no primeiro tri, apesar de quedas
Future of Money
Há 3 horas • 3 min de leitura

Cripto movimentou R$ 5 bilhões na B3 no primeiro tri, apesar de quedas