Nubank (NUBR33) atinge a marca de 5 milhões de clientes investidores

Entre os 5 milhões de clientes investidores, cerca de 1,5 milhão têm aplicações em ativos de renda variável, como ações
Nubank: no período de 12 meses, houve um crescimento de 2 milhões de clientes investidores para 5 milhões (SOPA Images/Getty Images)
Nubank: no período de 12 meses, houve um crescimento de 2 milhões de clientes investidores para 5 milhões (SOPA Images/Getty Images)
Karla Mamona
Karla MamonaPublicado em 28/07/2022 às 12:15.

O Nubank (NUBR33) informou nesta quinta-feira, 28, que atingiu a marca de 5 milhões de clientes investidores ativos em suas plataformas, um crescimento de cerca de 150% no período de pouco mais de um ano após concluir a aquisição da Easynvest e anunciar a criação da NuInvest. No período de 12 meses, houve um crescimento de 2 milhões de clientes investidores para 5 milhões até junho de 2022.

Entre os 5 milhões de clientes investidores, cerca de 1,5 milhão têm aplicações em ativos de renda variável, como ações, BDRs, ETFs ou fundos de investimentos imobiliários. Com base em dados divulgados pela B3 no fechamento do primeiro trimestre, mais de 1/3 dos investidores da Bolsa de Valores (B3) tinha um investimento em renda variável pelo Nubank.

Tenha acesso agora a todo o material gratuito da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal

Em dezembro do ano passado,  a empresa concluiu seu IPO, tendo registrado mais de 800 mil clientes de varejo que adquiriram os BDRs de emissão do Nubank. Além disso, foram cerca de 7,5 milhões clientes que se inscreveram para obter gratuitamente um BDR do Nubank por meio do programa NuSócios.

Em material divulgado, o Nubank afirmou que o aumento no número de clientes mostra o potencial da empresa no setor de investimentos.

“Nestes últimos meses, houve uma enorme e consistente evolução na integração do app Nubank com a plataforma NuInvest. Hoje, a NuInvest é um catalisador da experiência de investimentos no app do Nubank com a distribuição de ofertas como CDBs, fundos imobiliários e renda variável”, afirmou Fernando Miranda, VP de Investimentos da fintech.