Nubank: BTG retira recomendação de venda após resultado 'impressionante'

Nubank pode se tornar um banco "como nunca visto", segundo os analistas, mas para isso terá que passar no teste da inadimplência
Nubank (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)
Nubank (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 20/05/2022 14:37 | Última atualização em 20/05/2022 14:41Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O BTG Pactual alterou a recomendação para as ações do Nubank de venda para neutra nesta sexta-feira, 20. A mudança de perspectiva ocorre após o balanço do primeiro trimestre, que levou analistas do banco a classificarem a fintech como "uma máquina de crescimento".

A expansão no período, segundo o BTG, foi "impressionante em praticamente todas as partes". O aumento do número de clientes para 60 milhões e o crescimento da carteira de crédito em 34% no trimestre foram alguns dos pontos elogiados em relatório.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias 

Um banco como nunca visto?

"O Nubank pode se tornar algo que nunca vimos antes", disseram os analistas do BTG, mas para isso terá que sair relativamente ileso em termos de inadimplência. "Os próximos 12 meses podem ser desafiadores".

O rápido crescimento, principalmente o de 44% na linha de créditos pessoais, manteve a cautela quanto aos potenciais efeitos de uma piora do ciclo de crédito na companhia.

"Nunca vimos ninguém no setor financeiro brasileiro crescendo em um ritmo tão rápido em empréstimos sem garantia sem enfrentar problemas pela frente. Naturalmente, em um ambiente de inflação e juros mais altos, potencial recessão nos Estados Unidos e eleições presidenciais no Brasil, os investidores (e nós mesmos) estão preocupados com as inadimplências", afirmaram os analistas.

Apesar dos riscos, a melhora operacional e o nível de preço das ações do Nubank justificam a retirada da recomendação de venda, segundo o BTG. Os papéis já caíram cerca 60% desde o início da recomendação de venda dos papéis, 10 de fevereiro.

Benefício da dúvida

"Não acreditamos mais que seja uma tese de venda fácil de perceber, como pensávamos alguns meses atrás", afirmaram. "No geral, ainda vemos uma má assimetria na ação. Mas após a forte correção, explicações da administração sobre a dinâmica recente, números muito bons do primeiro trimestre (e expectativa de resultados melhores nos próximos trimestres), estamos dando ao Nubank o benefício da dúvida", disse o relatório.

O preço-alvo do BTG para o Nubank é de US$ 3,20, ainda abaixo da cotação atual, próxima de US$ 3,75.