Moody’s: EUA podem ser rebaixados por não pagamento

Queda no rating viria no dia seguinte a um possível calote do país

Nova York – Se o governo dos Estados Unidos deixar de pagar uma dívida, o rating (nota) do país pode ser cortado no dia seguinte, afirmou hoje Steven Hess, vice-presidente e diretor sênior do grupo de crédito soberano da agência de classificação de risco Moody’s. “Como achamos que o rating provavelmente não voltará para Aaa (se houver falta de pagamento), podemos rebaixá-los no dia seguinte”, disse Hess em uma entrevista.

Um dos cenários que ele prevê, no caso de os EUA deixarem de pagar qualquer dívida, seria o rebaixamento na nota do país em um grau e a atribuição de perspectiva negativa para o rating, isso apenas um dia depois do evento. Essa revisão daria tempo para a Moody’s analisar os potenciais efeitos de longo prazo sobre a dívida norte-americana, disse Hess. As questões de longo prazo incluem o impacto da falta de um pagamento sobre os custos futuros de empréstimo e mudanças regulatórias implementadas para evitar futuros defaults (não pagamento).

Hess salientou que a Moody’s ainda não crê que o governo dos EUA deixará de pagar sua dívida. As informações são da Dow Jones.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.