Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

As montadoras japonesas estão reformulando suas operações na China depois de serem atingidas pela concorrência local, em meio a alertas de que os próximos anos determinarão se elas conseguirão se manter à tona no maior mercado automotivo do mundo.

Assim como seus pares ocidentais, as principais montadoras do Japão vêm perdendo terreno há muito tempo na China para marcas locais que lideram o mercado de rápido crescimento de veículos elétricos. As montadoras japonesas estão antecipando cronogramas para novas tecnologias e veículos elétricos para a China.

O chefe financeiro da Honda Motor, Masaharu Hirose, disse na quarta-feira, 9, que a concorrência no mercado chinês de veículos eletrificados está tornando mais difícil para a empresa atingir sua meta anunciada anteriormente, de vender 1,4 milhão de veículos no país este ano. Entretanto, a Honda ainda pretende atingir a meta por meio de medidas como incentivos, afirmou.

Grandes desafios

Já os negócios da Nissan Motor na China estão "enfrentando grandes desafios", disse o presidente-executivo Makoto Uchida em um briefing no mês passado. A Nissan disse que espera vender 800 mil veículos na China no ano que termina em março, 330 mil a menos do que havia previsto menos de três meses antes.

A Mitsubishi Motors disse no mês passado que suspendeu a produção em sua joint venture na China, em resposta às vendas fracas.

As montadoras japonesas, como outras marcas de carros estrangeiras, prosperaram na China por décadas, à medida que ultrapassou os EUA para se tornar o maior mercado automotivo do mundo em vendas de veículos. Atualmente, a demanda geral por carros no país atingiu o pico, e a área restante de crescimento - veículos elétricos a bateria e híbridos plug-in - é dominada por fabricantes locais, como a BYD. 

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
14 frases de Charlie Munger, braço direito de Buffett

seloMercados

14 frases de Charlie Munger, braço direito de Buffett

Há 5 horas

Charlie Munger, vice-presidente Berkshire e braço direito de Buffett, morre aos 99 anos

seloMercados

Charlie Munger, vice-presidente Berkshire e braço direito de Buffett, morre aos 99 anos

Há 5 horas

Petróleo fecha em alta de 2%, com dólar fraco e perspectiva de juros menos apertados nos EUA

seloMercados

Petróleo fecha em alta de 2%, com dólar fraco e perspectiva de juros menos apertados nos EUA

Há 6 horas

Ouro fecha em alta, favorecido por queda do dólar e dos juros dos Treasuries

seloMercados

Ouro fecha em alta, favorecido por queda do dólar e dos juros dos Treasuries

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

O que as lideranças devem ter no radar para 2024, segundo o CEO da Falconi

Feirão oferece taxas a partir de 1,18% na compra de veículos
Minhas Finanças

Feirão oferece taxas a partir de 1,18% na compra de veículos

Entenda o que é golpe do boleto e como se proteger
Minhas Finanças

Entenda o que é golpe do boleto e como se proteger

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais