Superintendência do Cade recomenda aprovação de compra do Banco Modal (MODL11) pela XP (XPBR31)

A negociação foi anunciada em janeiro com o Banco Modal, que foi avaliado em US$ 528,5 milhões
 (Adriano Machado/Reuters)
(Adriano Machado/Reuters)
Roberto Bodetti
Roberto Bodetti

Publicado em 08/07/2022 às 12:20.

Última atualização em 08/07/2022 às 12:51.

A superintendência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), recomendou a aprovação da compra do Banco Modal (MODL11) por parte da XP Inc (XPBR31).

A negociação foi anunciada em janeiro pela XP com o Banco Modal, que foi avaliado em US$ 528,5 milhões. A transação foi realizada através de uma troca de ações.

Na ocasião, a XP divulgou um comunicado antecipando uma possível não aprovação da operação por parte das autoridades de proteção da concorrência.

“Se não houver a aprovação da incorporação de 100% das ações do banco, a XP vai incorporar uma fatia equivalente a 55,7% do capital social do Modal detido pelos seus acionistas controladores, que já aceitaram os termos, e garantirá aos acionistas minoritários do Banco Modal o direito de vender sua participação nas mesmas condições", explica a corretora no documento.

O Banco Modal abriu seu capital em junho de 2021, com uma Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla em inglês) que movimentou R$ 1 bilhão.

Desde então, o valor da ação do Modal caiu 57,95%. Desde o começo de 2022, o papel perdeu 28,64%.

Resultados do Modal (MODL11) no 1T22

No primeiro trimestre de 2022, o Banco Modal registrou um lucro líquido ajustado de R$ 45,2 milhões. Uma alta de 88,4% em relação ao mesmo período de 2021.

A receita líquida foi de R$ 221,9 milhões, alta de 78,3% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado.

O resultado de intermediação financeira e serviços chegou em R$ 206 milhões, um salto de 71,3% ante o período janeiro-março de 2021.

Resultado da XP (XPBR31) no 1T22 

A XP, por sua vez, registou um lucro líquido ajustado de R$ 987 milhões no primeiro trimestre de 2022, alta de 17% em relação aos R$ 846 milhões registrados no mesmo período de 2021.

O lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de R$ 1,19 bilhão, aumento de 14% em relação ao R$ 1,043 bilhão registrado no mesmo período do ano passado.

Os ativos sob custódia da XP somaram R$ 873 bilhões, 22% mais do que o montante registrado no primeiro trimestre de 2021.