Minério de ferro recua pela 3ª semana seguida com incertezas sobre demanda

Commodity registra baixa à medida que China intensifica campanha para limpar um de seus setores mais poluentes
Movimento influenciou o desempenho da Vale, que caiu 3% no pregão da véspera (Ian Waldie/Bloomberg)
Movimento influenciou o desempenho da Vale, que caiu 3% no pregão da véspera (Ian Waldie/Bloomberg)
B
BloombergPublicado em 06/08/2021 às 11:19.

Os futuros do minério de ferro em Singapura indicavam a terceira queda semanal com os crescentes obstáculos na gigantesca indústria siderúrgica da China.

A matéria-prima usada na fabricação de aço se desvalorizou cerca de 4,5% esta semana e mostra baixa superior a 20% desde meados de julho, quando o governo de Pequim intensificou a campanha para limpar um de seus setores mais poluentes. Também surgem dúvidas mais amplas sobre o crescimento da maior economia da Ásia diante do impacto causado por novas medidas restritivas para controlar o surto causado pela variante delta do coronavírus.

O movimento influenciou o desempenho da Vale (VALE3). As ações da mineradora recuaram 3,06% no pregão da véspera acompanhando a queda da commodity. Nesta sexta-feira, o papel busca recuperação e sobe 0,99%.

Na China, a mais recente restrição ao setor siderúrgico ocorre na província de Shanxi, no norte do país, com a ordem de que as usinas reduzam a produção no segundo semestre, segundo relatório da consultoria Mysteel. O governo chinês prometeu manter a produção abaixo do recorde do ano passado e aumentou as tarifas de exportação depois que as usinas produziram volumes maiores no primeiro semestre.

Executivos de várias usinas chinesas também se comprometeram a implementar estritamente as ordens do governo para cortar a produção em meio à campanha de redução de emissões do país, de acordo com a Associação de Ferro e Aço da China.

Uma queda acentuada das margens das siderúrgicas e maior fiscalização ambiental podem desacelerar a produção de aço e pesar nos preços do minério de ferro, disse o Australia & New Zealand Banking em relatório. O crescimento mais lento do crédito também tende a reduzir a demanda dos segmentos de construção e manufatura neste semestre, disse o banco.

*Com a redação