Mercado Livre salta 8% no after-market após surpresa no balanço do 1º tri

Números superaram estimativas de mercado, renovando o otimismo com os papéis da companhia
Receita chegou a US$ 2,2 bilhões nos três primeiros meses de 2022, acima das expectativas de analistas (Divulgação/Divulgação)
Receita chegou a US$ 2,2 bilhões nos três primeiros meses de 2022, acima das expectativas de analistas (Divulgação/Divulgação)
Por Beatriz QuesadaPublicado em 05/05/2022 19:20 | Última atualização em 05/05/2022 20:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

As ações do Mercado Livre (MELI) disparam 8% no after-market da bolsa de tecnologia Nasdaq após a companhia apresentar um crescimento acima das expectativas no primeiro trimestre de 2022. 

A companhia está acostumada a estabelecer novos recordes de receita, mas o resultado do primeiro trimestre, ainda assim, conseguiu surpreender. 

A receita chegou a US$ 2,2 bilhões nos três primeiros meses de 2022, um valor que superou a expectativa média dos analistas consultados pela Bloomberg, que aguardavam um montante de US$ 2 bilhões para o período. O valor representa alta de 63% na base em dólar em comparação com o mesmo período do ano passado.

Veja também
Bradesco (BBDC4) tem alta de 4,7% no lucro do 1T22
Renner reverte prejuízo em lucro e recupera rentabilidade no 1º tri

Os ganhos vieram de um crescimento sustentado tanto na frente de consumo quanto na de pagamentos, via fintech Mercado Pago. O GVM (gross merchandise volume, que representa a venda bruta de mercadoria), cresceu 27%, para US$ 7,7 bilhões, enquanto o volume total de pagamentos foi de US$ 25,3 bilhões — uma alta de 81%.

O lucro líquido foi de US$ 65 milhões no primeiro trimestre, revertendo um prejuízo de US$ 34 milhões apurados no mesmo intervalo de 2021. 

Não perca as últimas tendências do mercado: assine a EXAME por menos de R$ 0,37 e receba notícias em primeira mão.

“Houve um crescimento forte em praticamente todas as frentes, enquanto boa parte dos concorrentes de e-commerce vem mostrando resultados bem mais modestos em razão de uma comparação difícil”, avaliou Alexandre Constantini, estrategista da Catarina Capital, gestora especializada em empresas de tecnologia.

Vale lembrar que o setor enfrenta um momento crítico de mercado, com inflação e taxas de juro em trajetória de alta, o que prejudica o consumo. “A Meli também é afetada [pelo cenário macroeconômico], mas continua apresentando um lucro que cresce astronomicamente, e o mercado gosta disso”, completou o estrategista. 

A expectativa é que os números reverberem positivamente no pregão de amanhã, tanto na Nasdaq quanto na B3, onde os BDRs do Mercado Livre (MELI34) são negociados. 

No horário regular de pregão, que vai até às 17h (horário de Brasília), as ações do Mercado Livre fecharam em queda de 10%, acompanhando o derretimento generalizado das ações de tecnologia reagindo à perspectiva de taxas de juro mais altas nos Estados Unidos. Os BDRs encerraram o pregão desta quinta-feira em queda de 6,7%.