Mercado Livre: ações sobem após balanço do 1º tri impressionar mercado

Resultado da empresa de e-commerce surpreendeu tanto em vendas quanto na operação de crédito
Empresa de e-commerce registrou um novo recorde de receita, acima das expectativas do mercado (Divulgação/Divulgação)
Empresa de e-commerce registrou um novo recorde de receita, acima das expectativas do mercado (Divulgação/Divulgação)
Por Beatriz QuesadaPublicado em 06/05/2022 15:17 | Última atualização em 06/05/2022 15:36Tempo de Leitura: 3 min de leitura

As ações do Mercado Livre (MELI) avançam 3% na Nasdaq nesta sexta-feira, 6, operando na contramão da bolsa americana, que enfrenta mais um dia de forte queda. No Brasil, os BDRs da empresa (MELI34) também são negociados em alta de 2%.

O que sustenta a tendência positiva do Mercado Livre são seus números do primeiro trimestre de 2022. Surpreendendo o mercado, a empresa de e-commerce registrou um novo recorde de receita, de US$ 2,2 bilhões, enquanto as expectativas dos analistas giravam em torno dos US$ 2 bilhões.

Veja também
Bradesco (BBDC4) tem alta de 4,7% no lucro do 1T22
Renner reverte prejuízo em lucro e recupera rentabilidade no 1º tri

Os resultados foram classificados como “impressionantes” pelos analistas do Goldman Sachs, que mantiveram a recomendação de compra para as ações em relatório. Uma das principais preocupações dos investidores era o GVM (gross merchandise volume, que representa a venda bruta de mercadoria), que cresceu 27%, para US$ 7,7 bilhões no período. 

O relatório destacou ainda a vertente fintech da companhia, gerenciada sob a bandeira Mercado Pago. “A empresa escalou sua operação de crédito bem acima das expectativas (para uma carteira de empréstimos de US$ 2,4 bilhões) e repassou com sucesso os custos de financiamento mais altos”, afirmaram. O volume total de pagamentos da empresa foi de US$ 25,3 bilhões no primeiro trimestre – uma alta de 81%. 

Não perca as últimas tendências do mercado: assine a EXAME por menos de R$ 0,37 e receba notícias em primeira mão.

“Embora reconheçamos que as perspectivas da GMV e a qualidade do crédito continuarão sendo pontos de debate, acreditamos que as diversas surpresas positivas [do balanço] ilustram a força subjacente do negócio”, argumentaram os analistas.

O preço-alvo do Goldman para as ações do Mercado Livre é de US$ 913,22, o que representa um potencial de alta (upside) de 112,4% em relação ao preço de fechamento da véspera.

Os números também foram bem recebidos pelo do Itaú BBA, que destacou os fortes resultados tanto na frente de e-commerce como na de serviços financeiros. Na frente de vendas, os analistas destacam as possibilidades para a rede logística do Mercado Livre, que já lida com mais de 90% dos volumes negociados com entrega própria.

“A empresa vê oportunidades futuras para aumentar sua vantagem competitiva por meio da tecnologia, investindo para melhorar qualidade do serviço em, por exemplo, prazos de entrega, e ganhos de eficiência, como melhorias em estoque gestão, aumentar os itens por cesta – em vez de apostar no crescimento de volume como os concorrentes vêm fazendo”, afirmaram os analistas.