McDonald's faz acordo para vender 850 restaurantes na Rússia

Depois do anúncio da saída do país, McDonald's fecha acordo de venda para antigo franqueado
McDonald's: empresa de fast food vende 850 restaurantes para empresário (Kenzo Tribouillard/AFP)
McDonald's: empresa de fast food vende 850 restaurantes para empresário (Kenzo Tribouillard/AFP)
Por Tales RamosPublicado em 19/05/2022 16:02 | Última atualização em 19/05/2022 16:23Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O McDonald's fechou um acordo nesta quinta-feira, 19, para vender 850 estabelecimentos na Rússia.

O McDonald's anunciou que vendeu os restaurantes para o empresário Siberiano Alexander Govor, dono de várias franquias da rede.

O anúncio foi feito três dias depois que o McDonald's oficializou a saída da companhia do mercado russo.

De acordo com a empresa, os 850 restaurantes espalhados pelo território russo empregam 62 mil pessoas.

O McDonald's também disse que Govor concordou em não desligar os funcionários dos restaurantes por pelo menos dois anos após a realização da compra.

O valor da transação não foi revelado.

Saída do McDonald's do mercado russo

A decisão de venda foi gerada pela crise humanitária desencadeada após a invasão da Ucrânia.

A operação militar desencadeou sanções internacionais contra a Rússia, que impediram a continuidade das operações econômicas do McDonald's no país.

"Os negócios na Rússia já não se sustentam, nem são consistentes com os valores do McDonald's", informou a empresa em comunicado oficial.

Alexander Govor, franqueador da empresa de fast food desde 2015, opera 25 restaurantes na Sibéria.

O empresário é cofundador da Neftekhimservice, uma refinaria local, e membro do conselho de administração de outra empresa proprietária do hotel Park Inn e de clínicas particulares na Sibéria.

O grupo americano indicou que deverá registrar um custo associado de retirada de aproximadamente US$ 1,4 bilhão (R$ 6,84 milhões na cotação atual).

Desde que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou a entrada de tropas na Ucrânia em 24 de fevereiro, vários países ocidentais impuseram sanções sem precedentes contra Moscou.

Estas restrições ao comércio e a outras atividades econômicas provocaram a saída de diversas empresas estrangeiras, incluindo H&M, Starbucks, Ikea e agora o McDonald's.