Localiza e Unidas disparam até 8% na bolsa com parecer favorável do Cade

Apesar de recomendar a venda de ativos, avaliação técnica do órgão de defesa da concorrência tem viés positivo para as empresas, segundo analistas
Cade não recomendou barrar a operação por entender que é possível alguns “remédios que mitiguem riscos à concorrência” | Foto: Leo Drumond/Nitro/EXAME (Exame/Leo Drumond/NITRO)
Cade não recomendou barrar a operação por entender que é possível alguns “remédios que mitiguem riscos à concorrência” | Foto: Leo Drumond/Nitro/EXAME (Exame/Leo Drumond/NITRO)
Por Beatriz QuesadaPublicado em 08/09/2021 11:22 | Última atualização em 08/09/2021 19:43Tempo de Leitura: 3 min de leitura

As ações de Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) dispararam 8,03% e 7,23%, respectivamente, no pregão desta quarta-feira, 8, em um dia de forte queda do Ibovespa (-3,78%). Investidores reagiram ao parecer da Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que recomendou a aprovação da fusão entre as empresas.

O negócio aguarda aprovação do órgão antitruste desde que foi anunciado, em setembro de 2020. O obstáculo para a operação é o receio de concentração de mercado: a Localiza é líder do setor de locação de veículos, e a Unidas é sua principal concorrente. Com a fusão das duas, apenas a Movida será capaz de rivalizar com o novo negócio.

Ainda assim, o Cade não recomendou barrar a operação por entender que é possível adotar alguns “remédios que mitiguem riscos à concorrência”. O órgão antitruste pretende exigir um plano de desinvestimentos do novo negócio que envolva a venda de ativos a concorrentes.

Com relação às prováveis mudanças, Localiza e Unidas apresentaram ao Cade uma proposta que envolve a venda de parte da operação do aluguel de veículos da Unidas, e a reavaliação do contrato de parceria entre a Localiza e americana Vanguard, que possui as marcas National, Alamo e Enterprise. O documento do Cade não divulgou detalhes sobre as mudanças porque a informação é confidencial. 

O órgão deve emitir uma decisão final sobre a fusão até o dia 6 de outubro, informaram ambas as companhias em fatos relevantes. Mesmo ao final do prazo, o período de análise ainda pode ser postergado em 90 dias.

O que pensam os analistas

O saldo foi positivo na visão de analistas, que foram surpreendidos pelo parecer favorável. “Esta recomendação é um sinal positivo, pois muitos investidores esperavam a reprovação do negócio nesta primeira revisão do processo, devido ao recente fluxo de notícias desfavoráveis (o mercado migrou para nosso pior cenário recentemente)”, destacam analistas da Necton Research em relatório. 

A recomendação da casa é de compra para os dois papéis, com preço-alvo de 75 reais para Localiza e de 32 reais para a Unidas o que representa um potencial de valorização (upside) de 35% e 28% em relação ao fechamento do último pregão. 

Outro ponto importante foi que o setor de aluguel de frotas e venda de carros usados não foi encarado como fonte de concentração. “A decisão do Cade deixa claro que a principal concentração nos mercados é no segmento de locação de veículos [RAC, na sigla em inglês]. Os segmentos de frotas e carros usados não devem gerar concentração, dado que são mercados diferentes. Isso também facilita a fusão”, afirma Vitor de Melo, analista do BTG Pactual digital.

Em relatório, o Goldman Sachs mostra que a proposta de venda de ativos em RAC poderia ser compensada no longo prazo pela aquisição de carros e abertura de novas lojas para os segmentos de frota e veículos usados. O preço-alvo do banco para as ações da Localiza é de 69 reais (upside de 24,5%).