Invest

JPMorgan vê México brilhante contrastar com Brasil sombrio

As duas principais economias da América Latina estão se movendo em direções opostas

JP Morgan: " O México é o lado bom da América Latina, uma vez que continua em uma base sólida, apoiado na demanda externa resiliente, no consumo doméstico e na recuperação do investimento fixo" (Dylan Martinez/File Photo/Reuters)

JP Morgan: " O México é o lado bom da América Latina, uma vez que continua em uma base sólida, apoiado na demanda externa resiliente, no consumo doméstico e na recuperação do investimento fixo" (Dylan Martinez/File Photo/Reuters)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 6 de março de 2023 às 17h04.

As duas principais economias da América Latina estão se movendo em direções opostas, com o crescimento das exportações e do investimento impulsionando o México, enquanto o Brasil deve entrar em recessão, de acordo com o JPMorgan.

“O México é o lado bom da América Latina, uma vez que continua em uma base sólida, apoiado na demanda externa resiliente, no consumo doméstico e na recuperação do investimento fixo”, escreveram economistas do JPMorgan, incluindo Cassiana Fernandez e Gabriel Lozano, em relatório publicado segunda-feira.

Em contraste, “o Brasil, que foi uma das primeiras economias a apertar a política, também estará entre os primeiros a ver uma recessão”, disseram os economistas.

Os analistas ficaram mais otimistas com a economia mexicana depois que a Tesla anunciou a construção de uma nova fábrica em Monterrey, uma cidade industrial perto da fronteira com o Texas, que deve render bilhões de dólares em investimentos. Enquanto isso, o fim de 2022 pior do que o esperado para o Brasil, quando a economia encolheu 0,2% no último trimestre, levantou preocupações de que as altas taxas de juros serão um grande obstáculo ao crescimento este ano.

Os economistas não veem o Banco Central cortar juros “tão cedo”, exceto se houver uma queda mais profunda na atividade econômica, escreveram eles.

Na segunda-feira, o instituto de estatísticas do México informou que o investimento fixo bruto cresceu 9,4% em dezembro em relação ao ano anterior, a expansão mais rápida desde setembro de 2021. Os embarques de veículos, um dos principais produtos de exportação do México, cresceram mais de 14% em fevereiro, para 230.484 unidades, disse o instituto.

Acompanhe tudo sobre:JPMorganBrasilMéxicoAmérica Latinaeconomia-brasileira

Mais de Invest

"Corte de juros nos EUA é insuficiente para volta de estrangeiros", diz gestor da Kinea

Ibovespa está ‘barato demais para ignorar’, diz analista; onde investir?

Quanto rendem R$ 25 milhões na poupança?

O que é herança legítima e como é feita a divisão?

Mais na Exame