Itaúsa (ITSA4) vende ações da XP para honrar investimento bilionário na CCR

Recursos serão utilizados para compra de participação da CCR detida pela Andrade Gutierrez; holding já vendeu 19 milhões de ações da XP no ano
Itaúsa (Itaúsa/Divulgação)
Itaúsa (Itaúsa/Divulgação)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 06/07/2022 às 09:34.

Última atualização em 06/07/2022 às 14:10.

A Itaúsa (ITSA4) reduziu sua participação na XP (XPBR31) para 10,31%, com a venda 7 milhões de ações da empresa. A quantidade é correspondente a 1,26% do capital da XP e foi arrematada por cerca de R$ 665 milhões.

A venda, segundo a Itaúsa, faz parte da estratégia de desinvestimento na companhia por não considerá-la um "ativo estratégico".

A Itaúsa informou que o dinheiro arrecadado com a venda das ações será utilizado no investimento na CCR (CCRO3). A Itaúsa informou na véspera que, em conjunto com a Votorantim, irá comprar toda a participação de 14,86% da Andrade Gutierrez no negócio. A Itaúsa ficará com a maior parte, de 10,33% da CCR, por R$ 2,9 bilhões.

"Esse investimento reúne características fundamentais da estratégia de alocação eficiente de capital da Itaúsa, que considera empresas líderes em seus setores de atuação, a relação risco/retorno atrativa, o potencial de crescimento e impacto positivo para a sociedade”, disse em nota Alfredo Setubal, diretor-presidente da Itaúsa.

A venda das ações da XP terá impacto positivo no balanço do terceiro trimestre da Itaúsa em aproximadamente R$ 300 milhões líquidos de impostos.

Esta foi a segunda grande venda de ações da XP anunciada pela Itaúsa no ano.

Em março, quando vendeu 12 milhões de ações da XP, a holding informou que poderia vender mais 24 milhões de ações da empresa, "dependendo das condições de mercado". Ou seja, outras 17 milhões de ações da XP ainda poderão ser vendidas pela Itaúsa.

As ações da XP acumulam cerca de 35% de desvalorização desde o início do ano.