Itaúsa: UBS corta preço-alvo das ações para o menor nível desde 2020

Embora menos otimistas, analistas ainda veem "desconto excessivo" e mantêm recomendação de compra
Itaúsa: holding do Itaú tem preço-alvo reduzido por analistas do UBS-BB (Itaúsa/Divulgação)
Itaúsa: holding do Itaú tem preço-alvo reduzido por analistas do UBS-BB (Itaúsa/Divulgação)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 09/06/2022 às 15:14.

Última atualização em 09/06/2022 às 15:43.

Analistas do UBS-BB reduziram o preço-alvo das ações da Itaúsa (ITSA4), holding do Itaú (ITUB4), de R$ 13 para R$ 12. A projeção de preço justo para os papéis da companhia é a menor do UBS desde 2020, quando o preço-alvo chegou a ser cortado de R$ 15 para R$ 11.

O ajuste reflete a menor expectativa dos analistas sobre as ações da XP, que teve preço-alvo cortado nesta semana de US$ 37 para US$ 31. O Itaú é dono de 9,96% da XP.

Apesar do menor otimismo, o UBS-BB manteve a recomendação de compra para os papéis da Itaúsa e também da XP.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O analistas pontuaram que a ação da Itaúsa (cotada a cerca R$ 9,20) está com "desconto excessivo", de 23,8% em relação à participação da holding em diferentes negócios. O preço-alvo dos analistas considera um desconto de 15%.

"Nossa tese é sustentada por gatilhos de curto e longo prazo, como: potencial desinvestimento adicional na XP, melhora de tendências operacionais de subsidiárias não financeiras e pagamento de dividendos acima do esperado", afirmaram em relatório. 

Veja também:
Itaú BBA reduz preço-alvo da Rede D'Or em 30% e rebaixa recomendação da Qualicorp