Itaú compra participação na Avenue e sela acordo para adquirir controle

Primeira etapa da aquisição envolve compra de 35% da Avenue por R$ 493 milhões; banco espera aumentar oferta de serviços e produtos de investimento
Itaú: aquisição de controle pelo banco deverá ocorrer dois anos após primeira etapa do negócio (Itaú/Wikimedia Commons)
Itaú: aquisição de controle pelo banco deverá ocorrer dois anos após primeira etapa do negócio (Itaú/Wikimedia Commons)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 08/07/2022 às 06:37.

Última atualização em 08/07/2022 às 09:18.

O Itaú (ITUB4) anunciou que irá comprar 35% do capital social da Avenue Holding por meio de um aporte inicial de R$ 160 milhões e aquisição secundária de ações, totalizando R$ 493 milhões. O acordo ainda prevê a aquisição de mais 15,1% das ações após dois anos da data de fechamento do primeiro negócio, que dará ao Itaú o controle da empresa.

O valor dos 15,1% restantes foi pré-definido a partir de múltiplo de receita não revelado em fato relevante divulgado pelo Itaú na manhã desta sexta-feira, 8. O Itaú ainda informou que poderá exercer a opção de compra de participação remanescente no negócio cinco anos após o fechamento da primeira etapa.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Criada há quatro anos para atender o desejo do brasileiro de investir nos Estados Unidos, a plataforma se tornou uma das principais vias para investimentos diretos no exterior. São 229.000 clientes ativos, 492.000 contas habilitadas e R$ 6,4 bilhões sob custódia.

Por que o Itaú comprou a Avenue? 

A compra da Avenue, segundo o Itaú, visa reforçar a oferta de produtos e serviços de investimento para cada perfil de cliente.

"Estamos construindo e aprimorando constantemente o nosso ecossistema totalmente pensado em conjunto com nossos clientes, a partir de suas necessidades e focando em toda sua jornada de investimentos. A participação na Avenue representa o próximo passo estratégico”, disse em nota Carlos Constantini, responsável pela área de Wealth Management Services do Itaú.

Com a Avenue dentro de casa, o Itaú espera expandir acesso de seus clientes ao mercado internacional e facilitar a abertura de conta no exterior. Apesar das potenciais sinergias do negócio, o Itaú afirmou que a gestão e condução dos negócios da Avenue permanecerão autônomas.

"A partir deste negócio, ainda mais brasileiros poderão acessar o maior e mais completo mercado do mundo de forma fácil e simples. Ao longo dos próximos anos, esperamos que este mercado multiplique-se muitas vezes", afirmou em nota Roberto Lee, fundador e CEO da Avenue. "A Avenue e o Itaú juntos agregam todas as condições para catalisar e liderar essa categoria."