IPCA de maio dá motivo para BC parar ciclo de aperto em junho, afirma BofA

O IPCA de maio surpreendeu para baixo e reforça a avaliação de que o pico da inflação brasileira em 12 meses deve ter ficado para trás, disseram os analistas
Selic: . Diante dos sinais de alívio do ritmo de aumento de preços, a tendência é que o Banco Central (BC) veja espaço para encerrar o ciclo de aumento dos juros em junho, com a Selic em 13,25% (Patricia Monteiro/Getty Images)
Selic: . Diante dos sinais de alívio do ritmo de aumento de preços, a tendência é que o Banco Central (BC) veja espaço para encerrar o ciclo de aumento dos juros em junho, com a Selic em 13,25% (Patricia Monteiro/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 09/06/2022 às 15:52.

O IPCA de maio surpreendeu para baixo e reforça a avaliação de que o pico da inflação brasileira em 12 meses deve ter ficado para trás, avalia o Bank of America (BofA). Diante dos sinais de alívio do ritmo de aumento de preços, a tendência é que o Banco Central (BC) veja espaço para encerrar o ciclo de aumento dos juros em junho, com a Selic em 13,25%.

"O resultado foi consistente com a nossa visão de que a inflação já atingiu um pico e nós esperamos mais desaceleração à frente", escreve o chefe de Economia para Brasil e Estratégia para América Latina do BofA, David Beker, em relatório. "Tudo considerado, o resultado positivo dá mais motivos para o BC não alongar o ciclo de aperto, sustentando nossa visão de uma última alta de 0,5 ponto em junho, trazendo a Selic a 13,25%."

O IPCA desacelerou de 1,06% em abril para 0,47% em maio, 0,13 ponto porcentual abaixo da mediana da pesquisa Projeções Broadcast, de 0,60%. À frente, as estimativas preliminares do BofA sugerem inflação de 0,43% em junho e 0,52% em julho, consistente com uma trajetória de arrefecimento da taxa em 12 meses.