Acompanhe:

Investidores menores de 18 anos triplicam na Bolsa

Número de investidores com o perfil estava próximo dos 11 mil em 2020. Dois anos depois, saltou para 30.732 pessoas

Jovem no computador: movimento tem relação com o crescimento do conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos na internet (Inside Creative House/Getty Images)

Jovem no computador: movimento tem relação com o crescimento do conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos na internet (Inside Creative House/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

11 de junho de 2022, 12h13

A presença de crianças e adolescentes no mercado financeiro quase triplicou desde 2020. Segundo dados da B3 - a Bolsa brasileira -, o número de investidores com menos de 18 anos estava próximo dos 11 mil (10.911) em março de 2020. Hoje, dois anos depois, esse número saltou 181%, para 30.732 pessoas.

João Diniz Altmann, de 14 anos, iniciou a sua trajetória no mundo dos investimentos há menos de um mês. Por enquanto, ele realiza aplicações financeiras mais conservadoras para não ter risco de perder dinheiro. "Eu invisto em Tesouro Direto", afirma. Mas diz que quer ganhar mais experiência para se sentir seguro ao investir em ações.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Esse caminho já foi percorrido por Mateus Gusmão, de 14 anos, investidor desde 2019. Ele conta que começou após ter contato com conteúdos sobre finanças na internet e entender que era possível ganhar mais dinheiro por meio de aplicações.

"Eu tinha um pouco de dinheiro guardado (que recebeu dos pais e de familiares em datas comemorativas) e queria saber como poderia multiplicá-lo. Então, fui aprendendo sobre investimentos e comecei a investir com menos de R$ 100 em fundos imobiliários" diz o jovem, responsável por todas as suas aplicações. "Não tenho o objetivo fixo de ter R$ 50 milhões ou R$ 100 milhões. Quero ter uma vida confortável financeiramente", ressalta o jovem investidor.

O interesse no mercado financeiro trouxe a mãe do adolescente, a arquiteta Rose Gusmão, para o mundo dos investimentos. "Eu não conhecia nada sobre mercado financeiro e achava que era uma realidade bem distante. Foi por causa dele que a gente (pais de Mateus) começou a investir na Bolsa também", conta, sobre a iniciativa do filho, que hoje em dia, além de investir, produz conteúdo no YouTube com dicas para outros jovens que querem dar os primeiros passos na Bolsa.

A chegada de investidores cada vez mais novos à Bolsa tem relação com o crescimento do conteúdo sobre finanças pessoais e investimentos na internet. "Isso acaba por democratizar e fortalecer movimentos de expansão do número de investidores de todas as idades", avalia João Daronco, analista da Suno Research destacando o número crescente de influenciadores digitais no setor.