Investidor global retoma carry trade na América Latina

O salto nos juros em toda a região — inclusive no Brasil, Chile e México — contrasta com o que ocorre nos EUA e na Europa
 (Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)
(Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)
Por BloombergPublicado em 09/02/2022 11:54 | Última atualização em 09/02/2022 12:07Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Anchalee Worrachate, Bloomberg

O investimento conhecido como carry trade voltou com tudo na América Latina, onde os bancos centrais se destacam pela agressividade na luta contra a inflação.

O salto nos juros em toda a região — inclusive no Brasil, Chile e México — contrasta com o que ocorre nos EUA e na Europa, onde as autoridades ainda mantêm as referências para o custo dos empréstimos perto de zero, embora estejam perto de elevar as taxas básicas de juro. A atual desconexão proporciona ganhos generosos para a tática de tomar empréstimo nos EUA e na Europa e aplicar o dinheiro em países onde os rendimentos dos títulos de dívida são significativamente maiores.

O carry trade entre EUA e Brasil — ou seja, a estratégia de contrair empréstimo em dólar para comprar reais — gerou retorno aproximado de 8% no mês passado, quando a moeda brasileira foi a de melhor desempenho entre todas as divisas de países emergentes, segundo dados compilados pela Bloomberg. Um índice mais amplo que acompanha operações de carry trade na América Latina teve retorno de 4% em janeiro, embalado por ganhos cambiais no Peru, Chile e Colômbia.

Outro índice, que inclui investimentos na África do Sul e na Rússia, também acumula ganhos neste ano.

Andreas Koenig, responsável global pela área de câmbio da Amundi, a maior gestora de ativos da Europa, acha que o carry trade continuará compensando por causa da recuperação do crescimento econômico global após a pandemia e da baixa volatilidade do mercado cambial.

“Várias moedas de mercados emergentes podem ter ótimo desempenho nesse contexto”, disse o profissional da Amundi em Londres. “Quando se trata de carry trade, é preciso olhar para países com diferenciais de juros atraentes. Meus candidatos favoritos são Brasil, Rússia, México, África do Sul, Chile e Colômbia.”

O Goldman Sachs Group também aposta no carry trade e recomenda a compra de pesos chilenos e mexicanos com empréstimos financiados em euros e dólares australianos.

No entanto, a tática implica riscos significativos porque deixa os investidores expostos a potenciais reversões nos mercados de câmbio.

Essa possibilidade parece particularmente visível agora: os rendimentos dos títulos de dívida da Europa e dos EUA estão subindo enquanto o Federal Reserve retira estímulos implementados para apoiar a economia americana durante a pandemia e o Banco Central Europeu se prepara para apertar a política monetária. A alta dos rendimentos pode tirar dinheiro dos mercados emergentes, o que pode depreciar suas moedas e colocar em perigo os ganhos obtidos no carry trade.

O que pode compensar isso é o fato de os bancos centrais de países emergentes estarem à frente do Fed e do BCE, que ainda não elevaram juros. Na América Latina, palco de dolorosos episódios de hiperinflação, os bancos centrais estão agindo agressivamente desde o ano passado e aumentando os juros, o que prejudicou o crescimento econômico e empurrou o México e o Brasil para a recessão.

Paralelamente, juros maiores fortaleceram as moedas de muitas nações latino-americanas. As autoridades podem comemorar isso — e impedir que suas moedas se depreciem — porque moedas mais valorizadas ajudam a conter a inflação ao limitar o avanço dos preços dos produtos importados.

Mantenha-se atualizado sobre as empresas com maior destaque no mercado. Assine a EXAME por menos de R$11/mês.