Inflação nos EUA, onda de balanços com BB e Smart Fit, reação à CVC e o que mais move o mercado

Mercado espera que Índice de Preço ao Consumidor americano dê indícios sobre tamanho da alta de juros do Federal Reserve
Inflação americana: consenso é de alta de 8,7% para CPI de julho (o: Khanchit Khirisutchalual/Getty Images)
Inflação americana: consenso é de alta de 8,7% para CPI de julho (o: Khanchit Khirisutchalual/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 10/08/2022 às 07:17.

Última atualização em 10/08/2022 às 07:27.

Investidores iniciam esta quarta-feira, 10, à espera de que o Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos dê novas pistas sobre o futuro da política monetária do Federal Reserve (Fed).

A expectativa é de que o CPI de julho, que será divulgado às 9h30, desacelere de 1,3% para 0,2% na comparação mensal e, na anual, de 9,1% para 8,7%. Para o núcleo do CPI o consenso é de aceleração de 5,9% para 6,1% no acumulado em um ano.

Economistas tentam descobrir qual será o pico da inflação americana. Números abaixo das projeções de mercado tendem a fortalecer a tese do "pouso suave", de que o Fed não irá conter a alta de preços ao preço de uma dura recessão.

Dados do payroll, que saíram acima do consenso na sexta-feira, 5, aumentaram a probabilidade de o Fed manter o ritmo de alta de juros em 0,75 ponto percentual -- em vez de reduzir para 0,50 p.p., como sinalizado.

A chance, nesta manhã, está em 70% para uma elevação de 0,75 p.p. em setembro, segundo o CME Group. Investidores aguardam os dados desta quarta para reforçarem ou reduzirem as apostas de um aperto monetário mais intenso.

Índices futuros americanos iniciaram o dia em alta, após terem fechado em queda no último pregão sob expectativas para o CPI. O índice Nasdaq, com maior concentração de empresas mais sensíveis à taxa de juros, teve o pior desempenho de Wall Street, caindo mais de 1%. Nesta manhã, é o que mais sobe no mercado de futuros.

No Brasil, onde o fim do ciclo de alta de juros se torna cada vez mais claro entre economistas, o Ibovespa fechou em alta pelo sexto dia consecutivo. No mercado, já se fala em rotação para ações de crescimento, que seriam as mais beneficiadas pela redução da inflação e consequente afrouxamento da política monetária do Banco Central.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,21%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,24%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,27%
  • FTSE 100 (Londres): + 0,11%
  • DAX (Frankfurt): + 0,02%
  • CAC 40 (Paris): + 0,03%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: - 1,96%
  • Shangai Composite (Xangai)*: - 0,54%
  • Nikkei 225 (Tóquio)*: - 0,65%

Reação à CVC

O último pregão, porém, não foi dos melhores para as ações da CVC (CVCB3), que fecharam em queda de 10,96%, em meio ao pessimismo para o resultado divulgado após o encerramento dos negócios. Para piorar, a ação teve recomendação revisada de compra para neutra por analistas do J.P. Morgan no início da semana de seu balanço.

Em resultado divulgado na última noite, a companhia registrou prejuízo líquido de R$ 94,8 milhões, 43,2% abaixo do apresentado no mesmo período do ano passado. Já o caixa da companhia encolheu em R$ 300 milhões em meio a compromissos para arcar com os gastos de viagens futuras de seus clientes. As reservas confirmadas dispararam 124,4% no período para R$ 3,75 bilhões.

Balanços do dia com BB e SmartFit

Para esta noite, mais de 20 balanços estão previstos. Entre os mais aguardados está o do Banco do Brasil (BBAS3), que será o último entre os bancões a apresentar resultado. A agenda de balanços da noite ainda terá MRV (MRVE3)Alianasce Sonae (ALSO4), Braskem (BRKM5), C&A (CEAB3), Soma (SOMA3), BRF (BRFS3),  Estapar (ALPK3), SLC (SLCE3), Minerva (BEEF3) e Petz (PETZ3). Já o resultado da Smart Fit (SMFT3) está previsto para esta manhã.

Vendas do Varejo

Nesta manhã, também serão divulgadas as vendas do varejo de junho sob estimativa de 0,1% de queda frente ao mesmo período do ano passado.

Veja também: