Ibovespa hoje: índice cai puxado por queda de quase 4% da Petrobras (PETR4)

Bolsa brasileira sofre influência negativa dos mercados internacionais e é afetada pelo risco fiscal
 (Paulo Whitaker/Reuters)
(Paulo Whitaker/Reuters)
Por Carlo CautiBeatriz Quesada

Publicado em 05/07/2022 às 10:50.

Última atualização em 05/07/2022 às 17:20.

Ibovespa hoje: o principal índice da bolsa brasileira opera em queda nesta terça-feira, 5, estendendo a baixa registrada na última segunda. O movimento acompanha o humor negativo nos mercados de commodities, que recuam com o temor de recessão global. O movimento impacta diretamente as ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que puxam o Ibovespa para baixo.

A Petrobras cai mais de 5% seguindo as cotações internacionais do petróleo, com o tipo Brent — referência para o mercado brasileiro — em queda de mais de 10%. Na mínima, a commodity chegou a ser negociada abaixo da marca dos US$ 100, o que não acontecia desde maio.

A perspectiva de recessão penaliza a commodity, que recua à medida que as incertezas aumentam. Analistas também não chegam a consenso sobre o futuro dos preços. O JPMorgan vê o barril a US$ 380 no caso de uma grande interrupção da oferta russa, enquanto o Citigroup projeta um preço de US$ 65 considerando o risco de recessão.

Os temores derrubam também as ações das petroleiras privadas, que lideram as maiores quedas do pregão.

  • PetroRio (PRIO3): - 7,20%
  • 3R Petroleum (RRRP3): - 6,53%

O que também derruba o Ibovespa nesta terça-feira é o risco fiscal. A PEC que cria benefícios em ano eleitoral e permite R$ 41 bilhões em gastos fora do teto de gastos está em análise na Câmara. A entrevista do relator prevista para esta manhã, porém, foi adiada, aumentando as incertezas ao redor da proposta.

Dólar a R$ 5,40?

Pressionado pelo fiscal e pelo risco de recessão nos EUA, o dólar avança contra o real. A moeda chegou a ser negociada acima da marca de R$ 5,40 na máxima do dia.

  • Dólar comercial: + 1,19%, a R$ 5,389

No exterior, a moeda se fortalece contra as principais divisas no mundo e registrou uma marca histórica contra o euro – a cotação da moeda europeia chegou aos níveis mais baixos dos últimos 20 anos.

O câmbio entre euro e dólar chegou em US$ 1,0283, com queda de mais de 1,30%.

A alta vem do temor de recessão também no continente europeu. A inflação na zona do euro atingiu um recorde de 8,6% em junho, levando o Banco Central Europeu (BCE) a avisar antecipadamente os mercados de sua intenção de aumentar as taxas de juro na reunião que ocorrerá no dia 21 de julho.

Essa será a primeira vez que o Banco Central Europeu eleva os juros na zona do euro em 11 anos.