Ibovespa aprofunda perdas e fecha em queda de 2% com avanço da Ômicron

Petróleo desaba e arrasta ações da PetroRio para o negativo; papéis de aéreas e turismo recuam e CVC lidera perdas
Painel de cotações da B3 | Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)
Painel de cotações da B3 | Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)
Beatriz Quesada
Beatriz Quesada

Publicado em 20/12/2021 às 10:32.

Última atualização em 20/12/2021 às 18:48.

A semana do Natal começou com fortes quedas no mercado internacional, que puxaram o Ibovespa para baixo. O principal índice da B3 encerrou o pregão em queda de 2,03%, aos 105.019 pontos. Na mínima, o Ibovespa chegou a perder a marca dos 105.000 pontos.

No exterior, as preocupações com a variante Ômicron do coronavírus voltam aos holofotes, principalmente na Europa após a Holanda anunciar um novo lockdown no país até meados de janeiro para conter a doença. Os principais índices da Europa fecharam em queda, assim como os americanos.

Vale lembrar que a liquidez nos mercados costuma ser menor antes das festas de final de ano, o que aumenta a cautela nas bolsas.

No fechamento:

  • Ibovespa: - 2,03%, aos 105.019 pontos;
  • Dólar comercial: + 1,02%, a 5,743 reais; 
  • Dow Jones (EUA): - 1,23%;
  • S&P 500 (EUA): - 1,14%;
  • Nasdaq (EUA): - 1,24%;
  • Stoxx 600 (Europa): - 1,38%.

A Ômicron está se espalhando rapidamente e a Organização Mundial da Saúde (OMS) avalia que é provável que a variante ultrapasse a Delta em número de casos. A variante já está presente em 89 países segundo apuração da Organização.

Um dos mercados mais afetados pelo temor com a Ômicron é o do petróleo, que desabou mais de 3% nesta segunda – chegando a cair mais de 5% na máxima do dia. Os investidores temem que novos lockdowns e fechamentos de fronteiras afetem a demanda pela commodity, uma das principais prejudicadas no auge da crise em 2020.

  • Petróleo WTI (EUA): - 3,10%;
  • Petróleo Brent: - 2,03%.

Nos Estados Unidos, uma crise política também ajuda a derrubar as bolsas. O senador democrata Joe Manchin rejeitou na noite de ontem o pacote de reformas sociais e sustentáveis de cerca de 2 trilhões de dólares do presidente Joe Biden. A turbulência na agenda econômica dos EUA derruba o dólar ao redor do mundo mas, no Brasil, a moeda continua se valorizando frente ao real. 

O dólar saltou 1,02% nesta segunda-feira, a 5,743 reais na venda, maior patamar desde 30 de março. No mês, o dólar sobe 1,92%, elevando os ganhos em 2021 para 10,66%. A moeda caminha a passos largos para engatar o quinto ano consecutivo de valorização.

Uma das possíveis causas para o desempenho atual da moeda é uma nova ameaça ao cenário fiscal brasileiro. Segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o grupo de sustentação de Jair Bolsonaro no Congresso, o centrão, quer aumentar o pagamento do Auxílio Brasil de 400 reais para 600 reais para levantar a popularidade do presidente. A medida é encarada como saída para aumentar as chances de Bolsonaro na corrida eleitoral de 2022.

Destaques da bolsa

A queda do petróleo impactou diretamente os papéis das petroleiras, colocando a PetroRio entre as maiores quedas do dia. As ações da Petrobras também recuaram.

  • PetroRio (PRIO3): - 5,86%;
  • Petrobras (PETR3): - 1,92%;
  • Petrobras (PETR4): - 2,86%.

As ações relacionadas ao setor aéreo e de turismo também ficaram entre as maiores baixas do índice, com liderança da CVC. A grande preocupação é que ocorra um novo fechamento de fronteiras que volte a paralisar essas empresas. 

  • CVC (CVCB3): - 8,76%;
  • Gol (GOLL4): - 4,24%;
  • Azul (AZUL4): - 3,58%;
  • Embraer (EMBR3): - 2,40%.

A Vale e as siderúrgicas também são destaques do dia – apesar da alta do minério de ferro no mercado internacional. A commodity subiu 3,27% no porto de Qingdao, após o governo chinês cortar a taxa referencial de juros de 3,85% para 3,80%.

  • CSN (CSNA3): - 6,91%;
  • Gerdau (GGBR4): - 5,93%;
  • Usiminas (USIM5): - 5,60%;
  • Vale (VALE3): - 1,12%.

Na ponta positiva, as exportadoras do ramo de frigoríficos se beneficiam da alta do dólar e ficam entre as poucas altas do dia. Vale lembrar que, no último pregão, os papéis da BRF já dispararam mais de 5% com o anúncio de um follow-on que pretende levantar em torno de 6 bilhões de reais para a empresa.

  • JBS (JBSS3): + 1,43%;
  • Minerva (BEEF3): + 1,21%.

Quer saber como se tornar um profissional especializado em ESG? Participe da Jornada Executivo de Impacto, inscreva-se gratuitamente aqui