Ibovespa hoje: Após fala de Haddad, bolsa fecha em queda de 2,55% e dólar sobe 1,89%

Principal índice da B3 fechou em queda de 2,55%, praticamente anulando os ganhos da quinta-feira e terminando a semana estável
Ibovespa: Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (AMER3) puxaram as quedas mesmo com Black Friday (Germano Lüders/Exame)
Ibovespa: Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (AMER3) puxaram as quedas mesmo com Black Friday (Germano Lüders/Exame)
Por Beatriz Quesada, Raquel Brandão

Publicado em 25/11/2022 às 10:48.

Última atualização em 25/11/2022 às 19:03.

O Ibovespa fechou em queda de 2,55% nesta sexta-feira, 25, devolvendo parte dos fortes ganhos da véspera, quando o índice subiu quase 3%. Havia a expectativa de que o índice fechasse a semana em alta, em sua primeira sequência positiva em três semanas. A projeção se confirmou, mas por muito pouco, dado que o avanço ante sexta-feira, 18, foi de apenas 0,1%. Em novembro, o recuo é de 6,1%, enquanto o avanço em 2022 é de 2,99%.

O pregão começou ainda com os reflexos da injeção de ânimo ontem com a possibilidade de uma dobradinha entre Fernando Haddad e Persio Arida na equipe econômica do novo governo Lula, uma vez que o nome do economista do plano real anima  o mercado. Mas as coisas mudaram ao longo do dia. Assim como ontem, em que o pregão foi de baixa liquidez por causa do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, o desta sexta-feira também teve volume negociado baixo, de R$ 16,22 bilhões. 

O que mudou o rumo da bolsa foram as falas de Haddad em evento da Febraban, que fizeram o índice acelerar queda, enquanto o dólar subiu e a curva de juros apontou para cima. 

  • Ibovespa: - 2,55%, 108.977 pontos
  • Dólar: +1,89%, para R$ 5,41
  • Juros: DI para janeiro de 2024 foi de 14,31% para 14,48% / DI para 2027 foi de 13,40% para 13,58%

No início de pregão, investidores ficaram atentos ao discurso de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, durante o encontro da Febraban. Campos Neto falou às 12h30 sobre a atual conjuntura econômica do Brasil e afirmou que a batalha contra a inflação ainda não foi vencida local ou globalmente. "É importante persistir", disse o presidente do BC. 

No começo da tarde, Haddad se apresentou enquanto a queda do Ibovespa se intensificava. 

Haddad afirmou que o presidente eleito Luis Inácio Lula da Silva (PT) vai dar prioridade em seu primeiro ano de governo à primeira etapa da proposta de reforma tributária que tramita no Congresso, elaborada pelo economista Bernardo Appy. "Na sequência pretende encaminhar uma proposta de tributação sobre renda e patrimônio", afirmou o petista citando haver preocupação em proteger os investidores do país. 

Segundo Haddad, a qualidade da despesa pública no Brasil "piorou muito". "Orçamento público precisa ser reconfigurado, dar consistência aos gastos públicos. Precisamos repensar vários gastos que foram autorizados e outros que foram represados", afirmou. Acresentou, também, que há ainda muito a ampliar na concessão de crédito no país. 

"A impressão que ficou é que não se falou muito claramente da trajetória das contas públicas e também não se deu pista concreta a respeito dos próximos passos da política fiscal, que é o que todo mundo quer saber. A falta de notícias sobre isso gera ainda mais incerteza", diz Apolo Duarte, sócio e head da mesa de renda variável da AVG Capital. Segundo ele, a tendência é que o mercado continue em compasso de espera até que a gente tenha mais sinalizações da PEC e da equipe do Ministério da Economia.

No exterior, os índices das bolsas de Nova York tiveram resultados mistos, mas fecharam em alta semanal. O índice Dow Jones chegou ao seu maior nível desde abril, avançando 1,78% na semana, para 34.347,03. S&P e Nasdaq cresceram 1,53% e 0,72% na semana, respectivamente. 

Receba em primeira mão as principais notícias que movimentam o Brasil e o mundo. Aproveite a Black Friday EXAME!

Impasse na equipe econômica e na PEC da Transição

Fernando Haddad (PT), a propósito, é o favorito para assumir o Ministério da Fazenda no novo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), tanto que foi escolhido para substituir o presidente eleito no evento. O ex-prefeito de São Paulo, no entanto, enfrenta resistência do mercado para ocupar a pasta. 

Os ânimos se acalmaram na véspera com a notícia de que Haddad pode fazer uma dupla com o economista Persio Arida na equipe econômica. Um dos formuladores do Plano Real, Arida ficaria com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

É possível ainda que Lula seja pressionado para escolher um nome de olho na aprovação da PEC da Transição. A definição poderia pacificar as reações dos agentes econômicos e abrir condições para aprovação da PEC.

A previsão do PT é, depois da leitura de Lula, consolidar o texto na próxima segunda-feira e apresentá-lo ao Congresso na terça-feira.

A proposta que retira o Bolsa Família do Teto de Gastos tem enfrentado resistência dos agentes econômicos, que temem o aumento descontrolado do endividamento. 

Leia também: 'O que falta é um ministro da Fazenda', diz Jaques Wagner (PT) sobre articulação da transição

Varejistas lideram quedas em dia de Black Friday

As principais baixas do dia ficaram com as ações das varejistas, que lideraram as perdas mesmo em dia de Black Friday. Os papéis devolvem os ganhos após as fortes altas de ontem. A Americanas, que disparou 11% na véspera, chegou a recuar mais de 4% hoje, embora tenha diminuído a intensidade da queda nas últimas horas. Já o Magazine Luiza acelerou a desvalorização do papel, recuando 5%.

  • Magazine Luiza (MGLU3): - 5,00%
  • Via (VIIA3): - 6,28%
  • Americanas (AMER3): - 2,06%

Leia também: Varejistas lideram quedas na bolsa em dia de Black Friday

Vale e siderúrgicas perdem menos no Ibovespa

Durante boa parte do pregão, as siderúrgicas ficaram na ponta positiva do Ibovespa subidno perto de 1% e ficando entre as maiores altas, seguidas pela Vale. Os papéis acompanhavam, em partes, a valorização do minério de ferro, que subiu mais de 3% hoje em Dalian, a US$ 105,85. 

A alta da commodity foi uma resposta às medidas anunciadas para conter a crise imobiliária na China. Os megabancos do país, liderados pelo Industrial & Commercial Bank of China, prometeram apoio financeiro de pelo menos 1,28 trilhão de yuans (US$ 179 bilhões) para incorporadoras. E o BC chinês cortou o compulsório para a maioria dos bancos em 0,25 ponto percentual. Mas o jogo virou ao longo do dia e apenas a CSN terminou no campo positivo 

  • CSN (CSNA3): + 0,81%
  • CSN Mineração (CMIN3): -1,10%
  • Vale (VALE3): - 0,68%
  • Gerdau Metalúrgica (GOAU4): -0,08%