Mercados

Ibovespa firma-se no vermelho e cai mais de 1% com Petrobras

A véspera de feriado no Brasil também reforçava o tom de cautela e favorecia trazia volatilidade aos negócios

B3: mais cedo, o índice operou entre leves altas e baixas (Patricia Monteiro/Bloomberg)

B3: mais cedo, o índice operou entre leves altas e baixas (Patricia Monteiro/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 14 de novembro de 2017 às 16h16.

São Paulo - O principal índice acionário da B3 ampliava o tom negativo e caía mais de 1 por cento na tarde desta terça-feira, pressionado pelas perdas das ações da Petrobras, após balanço trimestral e também em meio à queda dos preços do petróleo no mercado internacional.

Às 15:36, o Ibovespa caía 1,12 por cento, a 71.664 pontos. O giro financeiro era de 6,24 bilhões de reais.

A véspera de feriado no Brasil, quando os mercados internacionais vão operar normalmente, também reforçava o tom de cautela e favorecia trazia volatilidade aos negócios.

Mais cedo, o índice operou entre leves altas e baixas, com investidores alternando as atenções entre a expectativa pelo avanço da reforma da Previdência e a divulgação dos balanços corporativos.

As ações PN da Petrobras caíam 5,17 por cento, enquanto as ON perdiam 5,84 por cento, liderando as perdas do Ibovespa, após a petroleira anunciar lucro líquido de 266 milhões de reais no terceiro trimestre, abaixo da expectativa do mercado, em meio a eventos não recorrentes. No exterior, os preços do petróleo acentuaram as perdas, adicionando pressão aos papéis da Petrobras.

Na ponta positiva, as ações da JBS seguiam como destaque, depois que a empresa de alimentos reportou seus resultados do período de julho a setembro, com números considerados fortes por analistas.

Acompanhe tudo sobre:B3Capitalização da PetrobrasDólarIbovespa

Mais de Mercados

Empresa responsável por pane global de tecnologia perde R$ 65 bi e CEO pede "profundas desculpas"

Bolsa brasileira comunica que não foi afetada por apagão global de tecnologia

Ibovespa tem leve alta após governo anunciar R$ 15 bi de corte de gastos; dólar cai

Netflix supera expectativa e registra 277 milhões de assinaturas pelo mundo

Mais na Exame