Live icon 

ELEIÇÕES 2022:  

Lula e Bolsonaro vão disputar o segundo turno Veja agora.

Ibovespa fecha semana em queda após payroll aumentar expectativa por alta de juros nos EUA

Criação de empregos não agrícolas sai acima do esperado e fortalece tese de sobreaquecimento do mercado de trabalho
Painel com cotações na bolsa brasileira, a B3: Ibovespa recua sob influência de bolsas americanas (Germano Lüders/Exame)
Painel com cotações na bolsa brasileira, a B3: Ibovespa recua sob influência de bolsas americanas (Germano Lüders/Exame)
Por Beatriz QuesadaGuilherme Guilherme
Publicado em 03/06/2022 às 17:29.

Ibovespa hoje: o principal índice da B3 fechou em queda nesta sexta-feira, 3, seguindo o mau humor internacional. Lá fora, as bolsas recuaram após o mercado de trabalho dos Estados Unidos mostrar uma recuperação mais forte que o esperado. 

O relatório de empregos não agrícolas (payroll), o mais aguardado do mercado americano, surpreendeu para cima. Foram criados 390.000 empregos não agrícolas em maio ante consenso de 325.000. O número de empregos privados também superou as estimativas, ficando em 333.000.

O que é boa notícia para a economia, é fonte de preocupação para as bolsas. A atividade econômica americana mais forte abre caminho para que o Federal Reserve (Fed, banco central americano), suba a taxa de juros.

“Existe um temor muito grande de como o mercado pode reagir a esses choques de retirada de estímulos, que não tem precedente histórico considerando o tamanho dos incentivos”, avaliou Rodrigo Marcatti economista e CEO da Veedha Investimentos.

A consequência foi um dia de fortes quedas nas bolsas americanas, que influenciam negativamente o Ibovespa. Com o resultado, o índice acumulou queda de 0,75% na semana.

  • Ibovespa: - 1,15%, 111.102 pontos
  • Dow Jones (EUA): - 1,05%
  • S&P 500 (EUA): - 1,63%
  • Nasdaq (EUA): - 2,47%

O índice de tecnologia Nasdaq foi o mais prejudicado em um cenário de juros mais altos. Nesta sexta, o índice sofreu ainda mais por conta da pressão negativa da Tesla. Os papéis da empresa de Musk recuaram mais de 9% com investidores repercutindo a notícia da Reuters de que a empresa precisa demitir 10% de seus cerca de 100.000 funcionários.

Listada no exterior, a brasileira Stone disparou mais de 13%, na contramão do setor. Investidores reagem positivamente à divulgação do balanço da companhia, que mostrou recuperação da rentabilidade.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Payroll: reação em cadeia

Expectativas de juros mais altos na maior economia do mundo tiveram efeito em cadeia no mercado global, e o dólar passou a ganhar força no mundo. O dollar index, que mede o desempenho da moeda frente a outras divisas fortes, subiu 0,3%. Contra o real, a moeda americana fechou em leve queda.

  • Dólar comercial: - 0,20%, a R$ 4,779

Na bolsa brasileira, ações de empresas de crescimento ficaram entre as maiores quedas, conforme investidores voltam a questionar a capacidade de expansão diante de um cenário mais desafiador.

  • Méliuz (CASH3): - 6,74%
  • Americanas (AMER3): - 5,83%
  • Yduqs (YUDQ3): - 5,59%
  • Magazine Luiza (MGLU3): -5,53%

Na ponta positiva, as ações da Petrobras ficaram entre as maiores altas, acompanhando a valorização do petróleo no mercado internacional. Nos pregões anteriores, os papéis não conseguiram acompanhar a commodity devido ao risco de interferência política.

  • Petrobras (PETR3): + 2,55%
  • Petrobras (PETR4): + 1,75%