Ibovespa cai 2,3% após cinco pregões de alta; exterior e Vale puxam perdas

Bolsas americanas desabam 4% com receio de impacto da inflação na economia americana
ações da Vale, que têm o maior peso na carteira teórica do Ibovespa, puxaram as perdas do dia (Nilton Fukuda / Agência Basil/Agência Brasil)
ações da Vale, que têm o maior peso na carteira teórica do Ibovespa, puxaram as perdas do dia (Nilton Fukuda / Agência Basil/Agência Brasil)
Por Beatriz Quesada, Guilherme GuilhermePublicado em 18/05/2022 17:24 | Última atualização em 18/05/2022 17:24Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ibovespa hoje: o principal índice da bolsa brasileira registrou sua primeira queda após cinco pregões consecutivos de alta. O tombo foi de 2,34%, colocando o Ibovespa aos 106.247 pontos. O desempenho do índice acompanhou o clima de maior cautela no exterior, onde a inflação e a alta de juros nos Estados Unidos seguem preocupando investidores, e também reagiu à derrocada da Vale (VALE3).

As ações da Vale, que têm o maior peso na carteira teórica do Ibovespa, puxaram as perdas do dia. Os papéis acompanham a queda do minério de ferro, que recuou à medida que as preocupações sobre o avanço da Covid-19 na China voltaram ao radar.

  • Vale (VALE3): - 2,53%

No exterior, os principais índices americanos apresentam forte queda, devolvendo os ganhos da véspera. Ontem, os mercados reagiram bem à declaração de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), indicando que a próxima alta do ciclo de aperto monetário deve manter o ritmo da elevação anterior, de 0,5 ponto percentual (p.p.). 

Powell destacou, no entanto, que o Fed “não hesitará” em apertar a política além do neutro, caso necessário, para conter a alta inflação. Juros mais altos prejudicam, principalmente, as ações de crescimento, como são as de tecnologia. O Nasdaq, índice de tecnologia da bolsa americana, volta a ter o pior desempenho entre os três principais indicadores do mercado americano.

  • Dow Jones (EUA): - 3,57%
  • S&P 500 (EUA): - 4,04%
  • Nasdaq (EUA): - 4,73%

O tom negativo também pressionou o câmbio nesta tarde, com o dólar voltando a subir no mundo inteiro. Por aqui, a moeda americana chegou a abrir em queda frente ao real, mas entrou em campo positivo ainda nos primeiros negócios do dia, encerrando a sessão em alta de 0,78%, a R$ 4,981. Apesar dos ganhos, a moeda ainda é negociada abaixo dos R$ 5.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Destaques da bolsa

A maior queda do Ibovespa foi das ações do Banco Inter, que desabaram 8,62%, com investidores realizando lucros após a ação subir e acumular alta de 28% nos últimos seis pregões.

  • Banco Inter (BIDI11): - 8,62%

A Hapvida, que desabou quase 17% na última sessão, encerrou o dia na direção contrária. Após investidores terem reagido negativamente ao balanço do primeiro trimestre, as ações da companhia saltaram mais de 4% nesta quarta. Como pano de fundo das negociações ainda está o programa de recompra anunciado pela companhia nesta manhã.

A Hapvida espera adquirir até 400 milhões de ações. O anúncio representa uma adição de volume de 300 milhões ações em relação ao programa anterior de 100 milhões de ações. O complemento ocorre após o preços dos papéis da Hapvida baterem mínima desde março de 2020. O prazo para a compra dos papéis será de 18 meses.

  • Hapvida (HAPV3): + 4,45%

Outro destaque de alta foi a Locaweb, que disparou 13,95%. Apenas oito das 91 ações do Ibovespa fecharam o dia no campo positivo. 

  • Locaweb (LWSA3): + 13,95%

Nos destaques negativos, os papéis da Eletrobras fecharam o dia em queda, após terem subido 3% na véspera. No radar dos acionistas está o julgamento desta quarta do processo de privatização pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A expectativa é que TCU aprove a privatização, segundo antecipou o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

  • Eletrobras (ELET3): - 2,16%
  • Eletrobras (ELET6): - 0,73%