Ibovespa avança mais de 1% puxado por Vale e Petrobras

Preocupações sobre recessão global crescem no exterior após piora de indicadores da China
 (Germano Lüders/Exame)
(Germano Lüders/Exame)
Por Beatriz Quesada, Guilherme GuilhermePublicado em 16/05/2022 17:23 | Última atualização em 16/05/2022 17:23Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ibovespa hoje: o principal índice da bolsa brasileira fechou o pregão em alta nesta segunda-feira, 16, sustentado pelas ações da Vale (VALE3). A mineradora, que tem a maior participação na carteira teórica do Ibovespa, subiu perto de 3%, impulsionada pela valorização do minério de ferro nesta madrugada.

  • Ibovespa: + 1,22%, 108.232 pontos
  • Vale (VALE3): + 2,99%

Quem também contribui para o tom positivo neste pregão foram as ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que avançaram, após a companhia ter afastado a possibilidade de interferências sobre sua política de preços.

  • Petrobras (PETR3): + 2,81%
  • Petrobras (PETR4): + 0,99%

Os papéis ligados às commodities também foram impulsionados por uma tendência global, em que gestores buscam proteção diante de um momento mais arriscado para a renda variável. Entre os fatores de risco estão a escalada da inflação, o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos e dados mais fracos da economia chinesa divulgados na última noite.

Pressionado por restrições para conter a pandemia em suas principais cidades, o país reportou queda anual de 5% em sua produção industrial de abril, enquanto as vendas do varejo desabaram 11,1% frente ao mesmo período de 2021. A taxa de desemprego da China saltou de 5,8% para 6,1%.

A atividade econômica mais fraca na primeira metade do ano dificulta ainda mais a missão do governo chinês bater a meta de 5,5% de crescimento em 2022. Sem o impulso da China, crescem as preocupações de que alta de juros nas economias ocidentais possam provocar uma recessão global.

O cenário desanimador se somou às expectativas de juros mais altos nos Estados Unidos para derrubar as ações de crescimento. O índice Nasdaq, da bolsa de tecnologia americana, voltou a amargar o pior desempenho de Nova York.

  • Dow Jones (EUA): + 0,08%
  • S&P 500 (EUA): - 0,39%
  • Nasdaq (EUA): - 1,20%

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Destaques de ações

O pessimismo sobre ações do setor de tecnologia se refletiu em parte na B3, com as ações da Locaweb (LWSA3) e Totvs (TOTS3) entre as maiores quedas do Ibovespa. Já os papéis da Méliuz (CASH3) aproveitaram o dia positivo para recuperar as perdas dos últimos pregões e subiram mais de 6%, liderando os ganhos do dia.

  • Méliuz (CASH3): + 6,25
  • Locaweb (LWSA3): - 3,11%
  • Totvs (TOTS3): - 1,29%

Ainda na ponta positiva, as ações da Eneva (ENEV3) tiveram alta superior a 5%, com investidores reagindo à nova certificação da companhia. Nesta manhã, a empresa de energia anunciou que suas reservas de gás natural na Bacia do Amazonas – de 14,8 bilhões de m³ – foram certificadas pela consultoria independente Gaffney, Cline & Associates (GCA). A certificação pode destravar valor para a empresa no mercado de gás, que é um dos focos dos analistas para a recomendação de compra da ação

  • Eneva (ENEV3): + 5,15% 

A temporada de balanços também seguiu fazendo preço nas ações da Magazine Luiza (MGLU3), que irá reportar seus números após o encerramento do pregão. O papel saltou mais de 4% na máxima do dia, e fechou o pregão em alta de 1,60%. Segundo analistas, o principal desafio da empresa será mostrar como está lidando com a alta da inflação.

A empresa será a última entre as grandes varejistas a reportar o balanço do período. Americanas (AMER3) e Via (VIIA3) já passaram pelo teste e superaram as expectativas – ambas encerraram esta segunda-feira em alta.

  •  Via (VIIA3): + 5,04%
  • Americanas (AMER3): + 2,65%
  • Magazine Luiza (MGLU3): + 1,60%