Goldman eleva previsão para altas do Fed em setembro e novembro

As opiniões do Goldman coincidem com comentários da vice-presidente do Fed, segundo a qual o banco central dos EUA terá que aumentar os juros para níveis restritivos
Economia americana: o Fed tem elevado as taxas de juros em ritmo acelerado para combater a inflação nas alturas (Getty Images/Getty Images)
Economia americana: o Fed tem elevado as taxas de juros em ritmo acelerado para combater a inflação nas alturas (Getty Images/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 08/09/2022 às 08:53.

O Goldman Sachs revisou para cima as estimativas para o ritmo de aperto monetário pelo Federal Reserve.

O banco de Wall Street agora projeta aumento de 0,75 ponto percentual da taxa básica neste mês, e de 0,50 ponto em novembro, acima das previsões anteriores de 0,50pp e de 0,25pp, respectivamente, disseram economistas liderados por Jan Hatzius em relatório. A equipe prevê alta de 0,25 ponto percentual em dezembro.

“Autoridades do Fed soaram ‘hawkish’ recentemente e parecem sugerir que o progresso em domar a inflação não foi tão uniforme ou rápido quanto gostariam”, escreveram os economistas na nota.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

As opiniões do Goldman coincidem com comentários da vice-presidente do Fed, Lael Brainard, segundo a qual o banco central dos EUA terá que aumentar os juros para níveis restritivos, além de alertar que os riscos se tornarão mais bilaterais no futuro.

O Fed tem elevado as taxas de juros em ritmo acelerado para combater a inflação nas alturas, depois de uma resposta inicial lenta quando os preços começaram a subir no fim de 2021. O banco central americano subiu a taxa em 0,75pp nas reuniões de junho e julho. As autoridades não descartam outro aumento da mesma magnitude na próxima reunião ou de 0,50 ponto percentual, dependendo dos dados.

Economistas do Goldman disseram que a política monetária mais apertada manterá o crescimento abaixo do potencial no segundo semestre deste ano.

“Como o impacto de condições financeiras mais apertadas será compensado com outros impulsos importantes para o crescimento em 2023 é mais incerto, e podemos imaginar o ciclo de aperto se estendendo além deste ano”, avaliam.