Invest

Goldman avalia demissões de até 4.000 funcionários, diz fonte

Número de funcionários do banco ultrapassou 49 mil pessoas, um aumento de 34% frente a 2018

David Solomon, CEO do Goldman: número de funcionários do banco cresceu sob sua gestão (Bloomberg/Getty Images)

David Solomon, CEO do Goldman: número de funcionários do banco cresceu sob sua gestão (Bloomberg/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 16 de dezembro de 2022 às 15h15.

O Goldman Sachs pode demitir até 4.000 funcionários, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

Os principais gerentes foram solicitados a identificar possíveis metas de redução de custos, e nenhum número final de cortes de empregos foi determinado, disse a pessoa, pedindo para não ser identificada.

O número de funcionários do gigante de Wall Street aumentou nos últimos anos à medida que o CEO David Solomon concluiu aquisições para construir um banco mais diversificado.

Uma expansão cara no varejo gerou perdas profundas em meio a uma desaceleração no ambiente de negócios e queda nos preços de ativos.

O número de funcionários do banco ultrapassou 49.000 no terceiro trimestre deste ano, um aumento de 34% em relação ao final de 2018.

Solomon já havia alertado para uma redução das ambições do banco no setor de serviços financeiros ao consumidor e sinalizou que revisaria outras linhas de negócios para gerenciar o número de funcionários e limitar custos. Os planos de cortes mais recentes vão além da demissão anual de funcionários com baixo desempenho, que era o foco alguns meses atrás.

Um porta-voz do banco com sede em Nova York não quis comentar.

Leia também: David Vélez conta como o Nubank planeja reforçar oferta de crédito em 2023

Acompanhe tudo sobre:Goldman Sachswall-street

Mais de Invest

Hapvida (HAPV3) vai investir até R$ 600 milhões em novos hospitais em SP e RJ

Ministério da Justiça realiza leilão de 54 quilos de ouro; veja como participar

5 frases que todo investidor precisa saber

"O mundo está passando por um processo grande de transformação", diz André Leite, CIO da TAG

Mais na Exame