Acompanhe:

Fundo quant sobe 26% em ano de estreia e repete receita em 2023

Fundo da BNP Paribas Asset Management deixa diversificação de lado e tem retorno acima dos pares

 (TERADAT SANTIVIVUT/Getty Images)

(TERADAT SANTIVIVUT/Getty Images)

E
Eva Szalay e Sam Potter, da Bloomberg

Publicado em 21 de janeiro de 2023, 09h15.

Fundos que implementam uma série de estratégias quantitativas entre ativos tiveram um 2022 de fortes ganhos em um ano turbulento marcado pela inflação, mas um dos melhores desempenhos foi de um novato que fez uma aposta simples – e que pretende repetir a fórmula vencedora em 2023.

O fundo Cross Asset High Focus, da BNP Paribas Asset Management, foi lançado no final de 2021 com uma carteira muito concentrada em se tratando de um produto multiestratégia. Essa característica foi compensada no ano passado, quando o fundo derrotou a maioria dos pares com um retorno de 26%, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Embora o BNP o descreva simplesmente como um fundo multiestratégia, o veículo de 673 milhões de euros (US$ 730 milhões) combina apostas semelhantes a prêmios de risco alternativo (ARP), que buscam explorar padrões de mercado há muito tempo estabelecidos em todas as classes de ativos. Mas enquanto um fundo ARP típico pode ter mais de 20 estilos em ação, a oferta do BNP usa apenas seis.

Ao abrir mão da diversificação buscada por rivais, o fundo aumenta o risco, e sua volatilidade anualizada fica em torno de 15%. Mas a combinação de estratégias de tendência e “carry” em commodities, volatilidade e mercados monetários, além de um componente de negociação cambial e “mitigação de risco dinâmico” quintuplicou os retornos frente ao ganho de 4,8% registrado pelo índice SG Multi Alternative Risk Premia.

Como a inflação persistentemente alta e juros ainda elevados que agitam os mercados globais, o fundo decidiu seguir a mesma receita em 2023, de acordo com Vincent Berard, chefe de estratégia de produtos da equipe quantitativa do BNP.

“Este ano deve ser menos favorável para estratégias de tendências do que no ano passado, mas as estratégias de ‘carry’ oferecem oportunidades interessantes”, disse Berard, de Londres. “Podem ser um fator de retorno mais pronunciado do que as tendências, de acordo com o atual ambiente de mercado.”

Foi o que aconteceu no segundo semestre de 2022, quando a estratégia de carrego em commodities do fundo - que visa lucrar com o formato da curva futura de uma matéria-prima - foi um dos principais fatores que contribuíram para os ganhos. O produto estava vendido em contratos futuros “front-end” contra uma posição comprada em contratos com de maior duração, uma abordagem que conseguiu bom desempenho quando os preços à vista caíram em relação a máximas no primeiro semestre.

Os fundos ARP estão entre vários participantes sistemáticos que lucraram com a ampla volatilidade e baixas do mercado em 2022, superando portfólios mais tradicionais. Embora o retorno de 4,8% do indicador ARP tenha caído frente aos 7,6% no ano anterior, o resultado se deu em um cenário de perdas nos mercados acionários e títulos.

Os produtos multiestratégia, entre eles os fundos ARP, estão disponíveis em todas as formas e tamanhos, por isso é difícil generalizar, mas a ideia é alcançar um alto nível de diversificação que ajude a reduzir o risco ao limitar a exposição a oscilações custosas em qualquer ativo.

O BNP Paribas argumenta que os maiores riscos de usar menos estratégias são compensados pelo fato de que, como proporção das posições gerais dos clientes, as alocações em fundos multiestratégia tendem a ser pequenas. Na visão de Berard, aumentar o número de “trades” adiciona complexidade, mas pouco prejudica o desempenho.

“Não há receita secreta com 25 estratégias competindo entre si todos os dias em centenas de classes de ativos”, disse Berard. “Ter algumas poucas estratégias em um portfólio facilita a compreensão do que está acontecendo.”

--Com a colaboração de Justina Lee.