Mercados

Fundo do investidor bilionário George Soros vende ações e sai da Petrobras

Soros Fund Manegement exclui os papéis da empresa, que antes tomava a maior fatia individual da carteira, e redireciona investimentos no Brasil para Vale

Soros: Petrobras tinha posição de 634 milhões de dólares no fundo antes da total exclusão da carteira (.)

Soros: Petrobras tinha posição de 634 milhões de dólares no fundo antes da total exclusão da carteira (.)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de agosto de 2010 às 17h23.

São Paulo - O bilionário George Soros, raposa do mundo das ações e renomado investidor internacional, desfez-se de todos os papéis da Petrobras que faziam parte do seu fundo de investimentos.

Em documento submetido ontem à SEC (Securities and Exchange Comission), reguladora do mercado de ações americano, o Soros Fund Manegement LLC declarou a venda de 9,1 milhões de ADRs representando ações ordinárias da Petrobras (PETR3) e 5,88 milhões de ADRs representando papéis preferenciais (PETR4) da petrolífera. A posição representava 634 milhões de dólares. O Soros Fund Management LLC administra 25 bilhões de dólares.

A notícia seria corriqueira se não se tratasse de um dos faros mais lúcidos para ações nos últimos anos. Soros está ao lado de Warren Buffet quando o assunto é fama no mercado financeiro - o investidor ficou conhecido nos anos 90 ao ganhar um bilhão de dólares num único dia quando "quebrou" o banco da Inglaterra apostando na desvalorização da libra. Nos anos 70, Soros montou seu próprio fundo hedge, o Quantum Fund, na companhia da lenda das commodities Jim Rogers. A Petrobras era a empresa com a maior fatia em sua carteira.

A decisão de Soros precede a oferta gigante de ações da Petrobras, marcada para setembro deste ano e que mantém os investidores desconfiados diante das incertezas dos processo. Durante o segundo trimestre, as ações da Petrobras se desvalorizaram em 24%. A captação dos recursos pela estatal brasileira poderá ser a maior já realizada no mercado de ações no mundo.

Soros não é o único gigante internacional que preferiu não esperar para ver: o Black Rock, fundo com a maior fatia da Petrobras, recentemente passou a vender as ações da estatal por temer atrasos e mudanças no processo de capitalização. "Se o laudo da ANP não sair até agosto, só sai em setembro, e alguns investidores estrangeiros não vão querer participar durante o período eleitoral. Não está na hora de ser agressivo com os papéis da Petrobras", disse Will Landers, gestor para a América Latina do fundo em entrevista ao Site Exame.

Soros compra Vale

As apostas de Soros no Brasil não foram totalmente abandonadas: o mesmo documento submetido à SEC mostra a inclusão dos papéis da Vale na carteira do fundo, pela compra de 121 mil ações no segundo trimestre.  O fundo também manteve seus investimentos em ações da AmBev, Santander e Net, e excluiu Bradesco - este último possuía uma participação bastante limitada na carteira, com apenas 13 mil ações.

O banco suíço UBS também parece ter perdido a paciência com as incertezas e rebaixou a recomendação para as ações ordinárias da empresa de neutra para venda. Para a analista Lilyanna Yang, há um crescente risco de que a empresa pague mais do que o esperado pelo direito de exploração de 5 bilhões de barris de petróleo dos poços da área do pré-sal, a chamada cessão onerosa. Cálculos do Banif sugerem que o valor de cada barril a ser transferido deveria ser de 7,6 dólares cada, mostra relatório divulgado hoje.

Analistas divergem sobre desempenho do papel

Depois dos resultados reportados no segundo trimestre, outros bancos mantiveram a recomendação de compra para as ações da estatal. Em relatório, o Goldman Sachs indica a compra para os investidores que miram ganhos no longo prazo. “Para os investidores com horizontes de curto-prazo, a permanência das incertezas com a transferência dos direitos de exploração de 5 bilhões de barris e a capitalização relacionado podem continuar a pesar no sentimento no período mais curto”, explica o analista Arjun N. Murti.

O analista Christian Audi, do Santander, também mantém a recomendação de compra. O JPMorgan está um pouco mais cauteloso e possui uma recomendação neutra. “O atual nível de endividamento da empresa enfatiza a importância da capitalização para cumprir com o plano de US$224 bilhões de capex (investimentos). Nesse sentido, as incertezas relacionadas a avaliação dos barris e ao timing da oferta continuarão penalizando as ações”, explica o banco Safra, em relatório assinado por Sergio Goldman. A recomendação é outperform (performance acima da média). 

Siga as notícias do site EXAME sobre Mercados no Twitter. 

Acompanhe tudo sobre:AçõesCapitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoPetrobrasPetróleoQuímica e petroquímica

Mais de Mercados

Propostas de Trump podem pressionar inflação nos EUA, diz estrategista da BlackRock

Ibovespa opera em alta com ajuda de Petrobras (PETR4); Dow Jones bate recorde histórico

Estoque global de chips cai após Biden e Trump sinalizarem política mais rígida

Vale (VALE3), produção industrial dos EUA e Livro Bege: o que move o mercado

Mais na Exame