Invest

Fundo da BlackRock aposta em crise hídrica em países ricos

Nos EUA, foram impostas restrições regionais à quantidade de água que os municípios podiam bombear, pois os níveis de água nos principais reservatórios caíram para níveis recordes

Água: cientistas preveem que os eventos climáticos extremos por trás dessas interrupções se tornarão mais frequentes e intensos. (Getty Images/Getty Images)

Água: cientistas preveem que os eventos climáticos extremos por trás dessas interrupções se tornarão mais frequentes e intensos. (Getty Images/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 7 de outubro de 2022 às 15h07.

Última atualização em 23 de janeiro de 2023 às 18h59.

A maior gestora de ativos do mundo elaborou uma estratégia de investimento baseada na aposta de que países desenvolvidos enfrentarão cada vez mais falta de água potável.

“Historicamente, muitas vezes pensamos na água como um problema de países em desenvolvimento, mas é muito mais profundo do que isso”, disse Omar Moufti , estrategista de produtos para fundos negociados em bolsa temáticos e setoriais da BlackRock, em entrevista.

Moufti disse que não se deve subestimar os riscos de longo prazo ligados à escassez de água. Ele também disse que “secas e inundações mais severas e frequentes em todo o mundo tem ressaltado” a urgência da ameaça.

No Reino Unido, galerias de água da era vitoriana cederam sob a pressão de inundações nos últimos meses, forçando o país a lidar com a contaminação de água limpa com esgoto. Na França, mais de 100 municípios ficaram sem água potável durante o verão, levando o governo a proibir os agricultores de irrigar suas plantações.

Na Europa Central, a seca deixou os rios Danúbio e Reno quase intransitáveis, enquanto o Pó na Itália secou. Nos EUA, foram impostas restrições regionais à quantidade de água que os municípios podiam bombear, pois os níveis de água nos principais reservatórios caíram para níveis recordes. E em estados como o Mississippi, os moradores perderam completamente o acesso à água potável.

Os cientistas preveem que os eventos climáticos extremos por trás dessas interrupções se tornarão mais frequentes e intensos.

“Precisamos mitigar esses riscos”, disse Moufti.

O fundo da BlackRock que Moufti ajudou a projetar — o iShares Global Water ETF — investe em tudo, desde concessionárias de água e fabricantes de bombas até empresas que melhoram a eficiência da água. As cinco principais participações no fundo negociado em bolsa de US$ 2 bilhões incluem American Water Works, Xylem, Essential Utilities, Ferguson e Geberit.

Trata-se de “investir em equipamentos de água, como bombas, ou melhorar a tubulação para reduzir as perdas de água ou melhorar o tratamento de águas residuais”, disse Moufti.

Até agora este ano, o ETF da BlackRock caiu 28%, um pouco menos do que o S&P Global Water Net Total Return Index. O fundo avançou a uma taxa anual de 8,3% nos últimos 10 anos.

“O investimento temático é de longo prazo, e a lógica por trás da criação deste fundo é que o vemos como uma oportunidade de crescimento estrutural de longo prazo”, disse Moufti. “Temos um aumento da população e da demanda por água, mas recursos limitados. E desenvolvimentos positivos em regulamentos e financiamento continuarão a apoiar este setor.”

Acompanhe tudo sobre:ÁguaBlackRockHidrelétricas

Mais de Invest

Ibovespa abre em queda pressionado por índices de NY e inflação no Brasil acima do esperado

IA transforma tarefas em Wall Street, mas profissionais ainda estão céticos

Stellantis tem queda de 48% no lucro líquido do 1º semestre

Balanço da Vale (VALE3), IPCA-15 e PIB dos EUA: o que move o mercado

Mais na Exame