Mercados

Com forte demanda, Petrobras assegura sucesso de oferta recorde

Com os recursos da oferta, a Petrobras vai melhorar seu perfil de endividamento e terá dinheiro para implementar projetos de seu plano de cinco anos

Petroleira vai definir valor das ações em sua capitalização, em um ambiente positivo (.)

Petroleira vai definir valor das ações em sua capitalização, em um ambiente positivo (.)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de setembro de 2010 às 17h45.

São Paulo - A Petrobras obteve uma demanda superior ao volume de novas ações que pretende emitir e assegurou o sucesso da mega oferta de papéis que coloca a empresa em lugar central no cenário financeiro global.

A petroleira define mais tarde, nesta quinta-feira, o valor das ações em sua capitalização, em um ambiente positivo marcado por altas significativas dos papéis como resultado do fim de um longo, confuso e tumultuado processo para a companhia e os investidores.

As ações preferenciais da empresa operavam com alta de 4,81 por cento por volta das 16h (horário de Brasília), enquanto o Ibovespa subia 1,5 por cento. As ordinárias subiam 3,87 por cento no mesmo horário.

"Remova todos os elementos de incerteza e os mercados vão se sentir mais leves, então uma precificação bem-sucedida será boa para todo mundo", afirmou Jorge Simino, que supervisiona ativos de 10 bilhões de dólares no fundo Funcesp.

O IFR, serviço de informações financeiras da Thomson Reuters, informou que a demanda pelas ações da companhia chegou ao dobro do número de ações a serem emitidas.

Mais cedo, duas fontes ouvidas pela Reuters confirmaram que a demanda superou a oferta, apesar de acrescentarem que possivelmente não chegou a duas vezes o volume de papéis ofertados, dado o tamanho da operação, a maior do tipo na história.

O conselho de administração da Petrobras reúne-se por volta das 19h para aprovar o preço das ações na oferta, cujo lote inicial prevê emissão de 2,17 bilhões de ações ordinárias e 1,59 bilhão de preferenciais. Os lotes adicional e suplementar incluem mais 940 milhões de ações.

A companhia prepara um grande evento na Bovespa na sexta-feira para marcar a operação. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparecerá. Nesta quinta, ele voltou a falar sobre a grandiosidade do negócio, em cerimônia em Maringá, no norte do Paraná.

"Amanhã, às 10h da manhã, eu estarei na Bolsa de Valores de São Paulo. E amanhã nós vamos fazer uma coisa que nunca aconteceu... Nós vamos capitalizar a Petrobras, por conta do pré-sal, que vai ser a maior capitalização já feita na história da humanidade", afirmou, repetindo uma frase que ele tem usado com frequência. "...não será menos do que 70 bilhões de dólares", acrescentou.

A operação deverá ficar próxima dos 130 bilhões de reais se os lotes adicional e suplementar forem exercidos. E a União, com 74,8 bilhões de reais disponíveis para participar da oferta, resultado da cessão de 5 bilhões de barris para a Petrobras, deverá elevar sua participação no capital da companhia, hoje em torno de um terço do total.

Com os recursos da oferta, a Petrobras vai melhorar seu perfil de endividamento e terá dinheiro para implementar as centenas de projetos de seu plano de cinco anos (2010-2014), destinado principalmente a avançar com a exploração das reservas gigantes descobertas no pré-sal da bacia de Santos.

Leia mais sobre Petrobras

Siga as últimas notícias de Mercados no Twitter

Acompanhe tudo sobre:AçõesCapitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoPetrobrasPetróleo

Mais de Mercados

A bolsa da América do Sul que pode ser uma das mais beneficiadas pela IA

Ibovespa fecha em queda com incertezas fiscais no radar; dólar sobe para R$ 5,59

Ações da Volvo sobem 7% enquanto investidores aguardam BCE

Reunião de Lula sobre corte de gastos e decisão de juros na Europa: o que move o mercado

Mais na Exame