Fed: ata aponta que taxa de juros nos EUA pode subir antes do esperado

Documento oferece mais detalhes sobre a adoção de uma política monetária mais agressiva contra a inflação
Fed: ata da última reunião do BC americano foi divulgada hoje | Foto: Leah Millis/Reuters (Leah Millis/Reuters)
Fed: ata da última reunião do BC americano foi divulgada hoje | Foto: Leah Millis/Reuters (Leah Millis/Reuters)
R
Reuters

Publicado em 05/01/2022 às 16:38.

Última atualização em 05/01/2022 às 16:41.

Autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) disseram que o mercado de trabalho está "muito apertado" e que pode ser preciso que o banco central dos EUA não apenas aumente as taxas de juros antes do esperado, mas também reduza sua carteira geral de ativos para conter a alta inflação. As informações constam na ata da reunião de política monetária realizada entre 14 a 15 dezembro, divulgada nesta quarta-feira, 5.

"Os participantes em geral observaram que pode ser necessário aumentar a taxa de juros mais cedo ou em um ritmo mais rápido do que os participantes haviam previsto anteriormente. Alguns também destacaram que poderia ser apropriado começar a reduzir o tamanho do balanço do Federal Reserve relativamente logo depois do começo do aumento da taxa", afirmou a ata. A expectativa é que os juros comecem a subir em março.

O documento ofereceu mais detalhes sobre a mudança do Fed no mês passado em direção a uma política monetária mais agressiva contra a inflação. Os formuladores de política monetária concordaram em acelerar o fim do programa de compras de títulos -- implementado no início da pandemia -- e emitiram previsões que anteciparam aumentos somados de 0,75 ponto percentual nos juros durante o ano de 2022.

A ata mostrou que o banco central não apenas debateu um aumento inicial das taxas de juros, mas também se deveria usar um segundo mecanismo para conter a inflação ao permitir que suas alocações em treasuries -- títulos do tesouro americano -- e títulos lastreados em hipotecas diminuíssem.

A reunião de dezembro foi realizada quando a contagem de casos de coronavírus começou a aumentar devido à disseminação da variante Ômicron.

As infecções subiram muito rapidamente desde então, e ainda não houve comentários de autoridades do alto escalão do Fed que indicassem se a mudança na situação de saúde alterou seus pontos de vista sobre a política monetária apropriada.

O presidente do Fed, Jerome Powell, comparecerá ao Comitê Bancário do Senado na próxima semana para uma audiência sobre sua nomeação para um segundo mandato de quatro anos como chefe do banco central, e é provável que atualize suas opiniões sobre a economia na ocasião.

Com o sobe e desce do mercado, seu dinheiro não pode ficar exposto. Aprenda como investir melhor.