Mercados

Expectativa por divisão de saúde impulsiona ações da Philips

Fortes pedidos para a área de saúde impulsionaram as ações da empresa holandesa


	Philips: presidente-executivo da Philips Frans van Houten disse que espera um crescimento modesto nas vendas e ganhos em 2016
 (Patrik Stollarz/Getty Images)

Philips: presidente-executivo da Philips Frans van Houten disse que espera um crescimento modesto nas vendas e ganhos em 2016 (Patrik Stollarz/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de janeiro de 2016 às 17h09.

Amsterdã - Fortes pedidos para a área de saúde impulsionaram as ações da holandesa Philips, que está buscando focar em scanners e tecnologia médica e reduzir suas tradicionais operações no setor de iluminação.

O presidente-executivo da Philips Frans van Houten disse que espera um crescimento modesto nas vendas e ganhos em 2016, com melhoras principalmente no segundo semestre.

A empresa viu um aumento das vendas na China, seu maior mercado em crescimento, embora Van Houten não tenha dito se espera que a tendência continue com a economia se desacelerando.

"É gratificante ver a recuperação, tanto em encomendas como em vendas, especialmente no setor de saúde, mas isso aconteceu após vários trimestres de crescimento lento", disse van Houten aos repórteres. Van Houten disse que a empresa segue disposta a vender ou listar sua divisão de iluminação na bolsa no primeiro semestre.

Na semana passada, os EUA bloquearam o plano da Philips para vender uma parcela de 80 por cento na divisão de componentes Lumileds para investidores chineses por 2,7 bilhões de dólares. As ações da companhia chegaram a subir 8 por cento.

Acompanhe tudo sobre:AçõesEmpresasEmpresas holandesasempresas-de-tecnologiaIndústria de eletrodomésticosIndústria eletroeletrônicaPhilipsSaúde

Mais de Mercados

Realização de lucros? Buffett vende R$ 8 bilhões em ações do Bank of America

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Empresa responsável por pane global de tecnologia perde R$ 65 bi e CEO pede "profundas desculpas"

Bolsa brasileira comunica que não foi afetada por apagão global de tecnologia

Mais na Exame