Governo dos EUA pede que Apple (APPL34) e Google (GOGL34) removam TikTok de seus app stores

O presidente da Comissão Federal para as Comunicações (FCC) dos Estados Unido pediu para Apple e Google que removam o TikTok de suas lojas de aplicativos
 (SOPA Images/Getty Images)
(SOPA Images/Getty Images)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 29/06/2022 às 18:33.

Última atualização em 29/06/2022 às 19:27.

O presidente da Comissão Federal para as Comunicações (FCC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, Brendan Carr, pediu para que a Apple (APPL34) e a Alphabet (GOOGL34), controladora do Google, removam o TikTok de suas lojas de aplicativos.

Carr compartilhou na terça-feira via Twitter uma carta aos CEO da Apple, Tim Cook, e ao CEO da Alphabet, Sundar Pichai, onde apontou relatórios e outros desenvolvimentos que fazem do TikTok não compatível com as políticas da loja de aplicativos das duas empresas.

“O TikTok não é o que parece ser na superfície. Não é apenas um aplicativo para compartilhar vídeos engraçados ou memes. Essa é a roupa de ovelha”, escreveu Carr na carta.

“Em sua essência, o TikTok funciona como uma ferramenta de vigilância sofisticada que coleta grandes quantidades de dados pessoais e confidenciais", concluiu o presidente da Comissão.

A carta de Carr, datada de 24 de junho em papel timbrado da FCC, salienta que se a Apple e a Alphabet não removerem o TikTok de suas lojas de aplicativos, deverão fornecer declarações para a Comissão até dia 8 de julho.

As declarações devem explicar “a base para a conclusão de sua empresa de que o acesso sub-reptício de dados privados e confidenciais de usuários dos EUA por pessoas localizadas em Pequim, juntamente com o padrão de representações e conduta enganosas do TikTok, não entra em conflito com nenhuma de suas políticas de loja de aplicativos".

TikTok acusado pela mídia americana de usar dados privados de americanos

A carta de Carr citou uma reportagem do BuzzFeed News do início do mês que dizia que gravações de declarações de funcionários do TikTok indicavam que engenheiros na China tiveram acesso a dados dos EUA entre setembro de 2021 e janeiro de 2022. A matéria do BuzzFeed incluiu uma declaração de um porta-voz do TikTok.

No dia 17 de junho, mesmo dia da publicação da matéria do BuzzFeed, o TikTok anunciou que estava roteando todo o tráfego de usuários dos EUA para o Oracle Cloud Infrastructure e estava movendo os dados privados dos usuários dos EUA de seus próprios data centers nos EUA e Singapura para servidores em nuvem da Oracle nos EUA.

O popular aplicativo de vídeos curtos é de propriedade da empresa chinesa ByteDance, acusada de espionagem pelo governo dos EUA já durante a Presidência de Donald Trump.

Alphabet, Apple e TikTok não se manifestaram sobre o pedido do FCC.