Emissões no mercado de capitais brasileiro alcançam recorde em 2021

O resultado representa crescimento de cerca de 66,7% ante 2020 e foi puxado especialmente pelo desempenho no quarto trimestre
 (EXAME/Exame)
(EXAME/Exame)
Por ReutersPublicado em 31/01/2022 17:55 | Última atualização em 31/01/2022 18:01Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O total de ativos mobiliários emitidos em 2021 no mercado de capitais do Brasil foi de R$ 722,2 bilhões, o maior montante para um único ano, disse a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em relatório publicado nesta segunda-feira.

O resultado representa um crescimento de cerca de 66,7% ante 2020 e foi puxado especialmente pelo desempenho no quarto trimestre, quando foram emitidos R$ 252,1 bilhões em ativos.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam seu bolso.

Entre os segmentos de ativos, o crescimento anual foi ajudado pela emissão de debêntures, que respondeu por cerca de 35% do total emitido, com R$ 251 bilhões, mais do que o dobro dos R$ 121,2 bilhões no ano anterior.

O total de ações emitidas também aumentou, de R$ 118,6 bilhões em 2020 para R$ 130,7 bilhões.

As emissões de Fundos de Investimentos em Participações (FIPs) avançaram de R$ 51 bilhões para R$ 106,3 bilhões em entre 2020 e 2021.

O relatório também mostra que os volumes financeiros médio diários nos mercados secundários à vista de ações, debêntures e Fundos de Investimento Imobiliários continuaram em rota de crescimento ante o ano anterior.

No total anual de contratos de derivativos negociados, os juros futuros (DIs) subiram de 516,7 milhões para 653,9 milhões de contratos, enquanto no Ibovespa futuro houve avanço de 41,9 milhões para 49,1 milhões de contratos. Já o número de contratos de dólar futuro caiu de 80,2 milhões em 2020 para 70,9 milhões em 2021.