Acompanhe:

Emergentes têm melhor mês desde janeiro e vários riscos à frente

Possíveis ventos contrários incluem o risco de o Fed voltar a uma postura mais restritiva e mudanças drásticas na Argentina e no Chile.

Modo escuro

Continua após a publicidade
Mercados emergentes: ganhos fortes de novembro, por si sós, criam a possibilidade de um recuo se os investidores resolverem realizar lucros (Reprodução/Getty Images)

Mercados emergentes: ganhos fortes de novembro, por si sós, criam a possibilidade de um recuo se os investidores resolverem realizar lucros (Reprodução/Getty Images)

As ações e moedas dos mercados emergentes caminham para o melhor mês desde janeiro, mas há riscos pela frente que podem reverter a alta.

Os possíveis ventos contrários nos próximos meses incluem o risco de o Federal Reserve (Fed, banco central americano) voltar a uma postura mais restritiva, mudanças econômicas drásticas na Argentina e outro referendo no Chile.

Além disso, os ganhos fortes de novembro, por si só, criam a possibilidade de um recuo se os investidores resolverem realizar lucros.

“A amplitude do movimento de novembro em todas as classes de risco foi extremamente forte, por isso espero alguma volatilidade”, disse Rajeev De Mello, gestor global da Gama Asset Management, em Genebra. Mesmo assim, ele espera que taxas reais positivas e posicionamento menos saturado darão suporte à tendência de alta dos ativos de mercados emergentes.

Mercados emergentes em alta

O índice MSCI de ações de mercados emergentes saltou 7,2% em novembro, e um indicador semelhante de moedas subiu 2,4%. Em ambos os casos, foram os maiores avanços desde janeiro.

Os catalisadores positivos incluíram o otimismo de que o Fed está próximo do fim de seu ciclo de aperto, e o recente encontro entre os presidentes Joe Biden e Xi Jinping foi interpretado como prenúncio de um alívio das tensões entre EUA e China.

A maioria dos analistas concorda que a principal ameaça aos emergentes seria uma mudança de humor do Fed. O mercado reduziu as apostas em aumentos de juros nos EUA após dados econômicos mais brandos do que o esperado, mas não seria necessário muito para que isso seja revertido.

Os juros futuros nos EUA sinalizam um ponto percentual de flexibilização até o final de 2024, o que pode se mostrar otimista se a inflação permanecer elevada.

“O principal risco para os mercados emergentes é, paradoxalmente, um fortalecimento persistente do crescimento econômico nos EUA, o que poderia levar o Fed a retomar a alta de juros, se combinado com uma inflação persistentemente elevada”, disse De Mello.

Chile e Argentina

Os desenvolvimentos políticos na América do Sul também podem criar turbulência.

O libertário Javier Milei obteve uma vitória esmagadora no segundo turno da eleição presidencial na Argentina em 19 de novembro, com promessas de campanha que incluíam a dolarização da economia e o fechamento do banco central. O PIB da Argentina teve contração de 2,8% no segundo trimestre, a queda mais profunda desde o pico da pandemia no início de 2020.

A plataforma de Milei, no geral, é a receita certa para tentar mudar a economia argentina, embora os riscos de execução sejam o maior desafio devido à representação limitada de seu partido no Congresso, disse Brendan McKenna, estrategista de mercados emergentes do Wells Fargo, em Nova York.

Mas Milei parece ter recuado de suas propostas mais radicais, pelo menos por enquanto, ao se afastar de assessores que defendiam suas ideias mais ousadas e escolher antigos veteranos de Wall Street para chefiar sua equipe econômica.

No Chile, haverá outro referendo sobre mudanças na constituição em 17 de dezembro. Uma primeira tentativa foi rejeitada no ano passado.

“Acho que o referendo será rejeitado novamente, provavelmente por uma margem bastante ampla também”, e isso resultará em protestos e volatilidade nos mercados, disse McKenna.

Confira as últimas notícias de Invest:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia
Future of Money

Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia

Há 9 horas

As melhores ações que pagam dividendos indicadas para abril
seloOnde Investir

As melhores ações que pagam dividendos indicadas para abril

Há uma semana

Vale (VALE3) dispara 5% na bolsa; Goldman ainda enxerga cenário desafiador
seloMercados

Vale (VALE3) dispara 5% na bolsa; Goldman ainda enxerga cenário desafiador

Há uma semana

As melhores ações para investir em abril; ITUB4 e CYRE3 estão na lista
seloOnde Investir

As melhores ações para investir em abril; ITUB4 e CYRE3 estão na lista

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais