Elon Musk pode dar o impulso para o setor espacial decolar na bolsa

Dúvidas de investidores sobre viabilidade do negócio de viagens espaciais podem ser superadas com 'efeito Tesla' que empreendedor gerou em ações de carros elétricos
Elon Musk, fundador da SpaceX, comemora lançamento bem-sucedido do foguete Falcon 9 em maio de 2020 | Foto: Paul Hennessy/SOPA Images/LightRocket/GettyImages (Paul Hennessy / SOPA Images/Getty Images)
Elon Musk, fundador da SpaceX, comemora lançamento bem-sucedido do foguete Falcon 9 em maio de 2020 | Foto: Paul Hennessy/SOPA Images/LightRocket/GettyImages (Paul Hennessy / SOPA Images/Getty Images)
Por BloombergPublicado em 31/12/2021 08:15 | Última atualização em 31/12/2021 08:08Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Esha Day

Ações do setor espacial escorregaram nos últimos doze meses, apesar da atração futurística. Algum impulso como o empurrão dado por Elon Musk na indústria de veículos elétricos por meio da Tesla pode ser exatamente o que esses papéis precisam para conseguir uma virada em 2022.

Musk sinalizou a possibilidade de abrir o capital de sua SpaceX, e o paralelo com o mercado de veículos elétricos seria difícil de ignorar. Exploração espacial e veículos elétricos se concentram em um futuro que ainda não chegou, prometendo enormes oportunidades à medida que novas tecnologias se tornam empresas viáveis.

Mas, enquanto ações ligadas à revolução dos carros elétricos dispararam neste ano que acaba, empresas com foco no espaço -- depois de certa euforia inicial -- ficaram aquém do mercado em geral.

Voos turísticos com grande pompa conduzidos pela Virgin Galactic, empresa de capital aberto controlada por Sir Richard Branson, e pela Blue Origin, de Jeff Bezos, ainda com capital fechado, além da SpaceX de Musk, não foram suficientes para superar dúvidas sobre se o negócio é de fato viável ou apenas entretenimento para bilionários.

Quais as melhores ações para pegar carona na tese de negócios futuristas? Descubra com os relatórios do BTG Pactual

“De lançamentos espaciais comerciais relacionados a satélites e turismo espacial, ou mesmo coisas mais futurísticas como mineração de asteroides, muito disso é uma indústria completamente não comprovada. E não está claro quanta demanda existe”, disse Jay Jacobs, chefe de pesquisa e estratégia da Global X Management.

Além do mais, não existem muitas empresas listadas com esse foco além da Virgin Galactic, disse Jacobs, cuja gestora administra fundos de índice, mas ainda não lançou um ETF para o setor espacial.

Isso deixa o segmento sem um claro favorito ou marcos que possam ajudar investidores de renda variável a avaliar o progresso.

Cotação de ações de empresas ligadas ao setor espacial ao longo de 2021 versus o S&P 500

Cotação de ações de empresas ligadas ao setor espacial ao longo de 2021 versus o S&P 500 (Arte/Bloomberg)

Não ajuda o fato de que empresas listadas não tenham um líder carismático para chamar a atenção do mercado. Se a Space Exploration Technologies de Musk decidir abrir o capital, isso resolveria alguns desses problemas de uma vez.

Nicholas Colas, cofundador da DataTrek Research, disse que um IPO “poderia chamar a atenção das pessoas e fazê-las entender o que é investir em espaço. Não se trata de ir a Marte ou fazer turismo, mas levar hardware para o espaço com tecnologia atual e atualizada”.

A SpaceX não respondeu a um pedido de comentário da Bloomberg.