Mercados

Dólar fecha novamente estável com fluxo aliviando pressão externa

Moeda norte-americana recuou 0,06%, a R$ 3,7361 na venda, acumulando alta semanal de 1,13%

Dólar: fluxo de venda aliviou a pressão causada pela decisão do Fed de não modificar a taxa básica de juros nos EUA (Bluberries/Thinkstock)

Dólar: fluxo de venda aliviou a pressão causada pela decisão do Fed de não modificar a taxa básica de juros nos EUA (Bluberries/Thinkstock)

R

Reuters

Publicado em 9 de novembro de 2018 às 17h12.

Última atualização em 9 de novembro de 2018 às 17h47.

São Paulo - O dólar terminou mais um pregão ao redor da estabilidade ante o real, com fluxo pontual de venda aliviando a pressão altista que predominou durante todo o dia após o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, ter reafirmado sua postura de política monetária na véspera.

O dólar recuou 0,06 por cento, a 3,7361 reais na venda, acumulando, na semana, alta de 1,13 por cento. Nestas duas semanas seguidas de valorização, acumulou ganho de 2,23 por cento. Na mínima, a moeda foi a 3,7325 reais e, na máxima, e 3,7761 reais. O dólar futuro cedia 0,66 por cento.

"Qualquer alívio pode empurrar o dólar de volta para 3,70 reais rapidamente. Por outro lado, precisamos de mais aversão ao risco para ver a moeda revisitando os 3,80 reais", argumentou um diretor de Tesouraria de um banco estrangeiro ao justificar o intervalo curto de oscilação da moeda.

Um operador da mesa de câmbio de uma corretora local acrescentou que o giro foi mais fraco na sessão, o que contribuiu para amplificar os movimentos e ajudando a inverter a trajetória da moeda na reta final.

"E deve continuar fraco no começo da próxima semana, com feriado nos Estados Unidos (dia dos veteranos) e semana mais curta no Brasil (quinta-feira é feriado Proclamação da República)", acrescentou.

No Dia do Veterano, as bolsas norte-americanas funcionam, mas a liquidez pode ser menor por causa do feriado.

Ao longo da sessão, o viés de alta do dólar veio do exterior, depois que, na véspera, o Federal Reserve manteve os juros entre 2 e 2,25 por cento, afirmando que o "mercado de trabalho continuou a se fortalecer e... a atividade econômica tem crescido em um ritmo forte", deixando intacto seu plano de continuar a elevar juros gradualmente. Alta de juros nos EUA tendem atrair para o país dinheiro hoje aplicado nos países emergentes.

"Neste panorama residem os temores de mercados emergentes e da China... O ciclo natural de liquidez se volta aos EUA com o aperto monetário e, ao financiar a maior economia global, 'secam' as opções aos outros países", escreveu o economista-chefe da gestora Infinity, Jason Vieira.

O dólar operava em alta ante a cesta de moedas e perto da máxima de 16 meses após o Fed. Também subia ante as divisas de países emergentes, como o peso chileno e a lira turca.

Depois das eleições parlamentares nos EUA do início da semana, quando os democratas conquistaram maioria na Câmara dos Deputados dos EUA, começou a crescer a avaliação de que os juros poderiam subir menos no país, já que o presidente Donald Trump teria mais dificuldades de implementar medidas, como por exemplo, novo corte de impostos, facilitando o controle da inflação pela autoridade monetária.

Internamente, os investidores seguem ansiosos por novidades sobre a equipe de governo, sobretudo sobre o comando do Banco Central, e ainda sobre a reforma da Previdência.

Na véspera, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, avaliou que "não é" o fim do mundo aprovar a reforma da Previdência no ano que vem, lembrando que este é o prazo com que trabalha o mercado e salientando que o impacto da reforma nas contas públicas aumenta com o passar do tempo.

"A derrota do futuro governo com o aumento dos gastos (aprovação do aumento dos ministros do STF e do Rota 2030 com incentivos a montadoras) para os próximos anos mostrou que a nova cara técnica do futuro governo Bolsonaro precisa ter 'malícia' para negociar com o Congresso", avaliou o chefe da mesa de renda fixa de uma corretora estrangeira.

Ele se referia ao aumento do salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal e à medida provisória que institui um novo regime tributário para o setor automotivo, o Rota 2030.

O Banco Central vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou 3,816 bilhões de dólares do total de 12,217 bilhões de dólares que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Acompanhe tudo sobre:DólarEstados Unidos (EUA)Mercado financeiroMoedas

Mais de Mercados

Quem ganha e quem perde no mercado no caso da vitória de Trump?

China estabelece fundo de investimentos em ativos de terra de empresas estatais de 30 bilhões yuans

Atentado a Trump fortalece o dólar e impulsiona novo trade na bolsa, diz economista-chefe da Avenue

Bolsa americana bate novo recorde após ataque a Trump

Mais na Exame