Acompanhe:

Dólar fecha em queda de 2,54% e tem maior tombo em um mês após vitória de Lula

Valorização da moeda brasileira ocorre na contramão das principais divisas do mundo, que perdem força ante o dólar

Dólar (Adrienne Bresnahan/Getty Images)

Dólar (Adrienne Bresnahan/Getty Images)

G
Guilherme Guilherme

31 de outubro de 2022, 17h55

O dólar fechou em queda de 2,54% frente ao real nesta segunda-feira, 31, sendo negociado a R$ 5,16, com investidores digerindo a o resultado da eleição presidencial. Luiz Inácio Lula da Silva venceu a disputa pelo Palácio do Planalto pot 50,6% dos votos.

A queda desta segunda é a maior desde o início do mês, quando a moeda americana caiu 4% em reação ao resultado do primeiro turno das eleiçoes. Apesar da forte desvalorização, os primeiros negócios do dia foram marcados por intensa valorização da moeda americana, que chegou a ser negociada a R$ 5,40 -- o maior nível do desde o fim de setembro.

A moeda brasileira tem o melhor desempenho entre as principais divisas do mundo, que perdem valor contra o dólar em meio a temores de altas de juros mais duras nos Estados Unidos.

Com o resultado das eleições definido, investidores aguardam por mais detalhes da política econômica do novo governo. A grande expectativa é quanto ao que será proposto para substituir o teto de gastos e quem será escolhido para orquestrar a ministério da Economia.

"Os investidores estarão atentos para saber quem serão os membros do gabinete de Lula, principalmente o ministro da Fazenda, além de mais detalhes sobre sua agenda fiscal", afirmou a Julius Bear em relatório. 

O presidente Jair Bolsonaro, que não conseguiu ser reeleito, ainda não falou publicamente sobre o resultado das eleições até esta manhã.

"Como o atual presidente Bolsonaro ainda não reconheceu oficialmente sua derrota no momento, o resultado eleitoral apertado representa o risco de uma transição acidentada, com potencial agitação social e chamadas de fraude eleitoral que podem levar a uma forte liquidação", disse a Julius Bear.