• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Dólar a 6 reais? O que falta acontecer para esse cenário, segundo analistas

Com o aumento das turbulências internas vindas do governo, real tem pior performance entre principais emergentes; moeda americana sobe quase 10% no ano
Dólar: moeda americana acumula alta de quase 10% contra o real em 2021 (Getty Images/Craig Hastings)
Dólar: moeda americana acumula alta de quase 10% contra o real em 2021 (Getty Images/Craig Hastings)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 03/03/2021 06:00 | Última atualização em 03/03/2021 09:44Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Se no início do ano as estimativas de mercado apontavam para um dólar fraco em 2021, os dois primeiros meses mostraram o oposto. No Brasil, com uma valorização acumulada de 9,2% desde janeiro, o dólar subiu mais contra o real do que perante qualquer uma das principais moedas emergentes do mundo. 

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Os principais motivos para apreciação da moeda, mais uma vez, se encontram em Brasília. Com as incertezas fiscais cada vez maiores, o aceno populista do presidente Jair Bolsonaro tem sido o estopim para reações enérgicas no mercado.

Desde que demitiu o presidente da Petrobras de forma intempestiva, o dólar acumula alta de 5,5%. Somente nesta terça-feira, 2, a moeda americana subiu 1,17%, para 5,66 reais, após a confirmação de que a isenção dos impostos sobre o combustível será compensada pelo aumento da alíquota de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) dos bancos de 20% para 25%

“No fim, 300.000 caminhoneiros vão ter combustível subsidiado por tomadores de crédito, que vão ter que pagar mais caro. Se o nosso governo seguir nessa toada mais populista, o dólar pode ficar acima de 6 reais”, afirma Roberto Motta, chefe da mesa de derivativos da Genial Investimentos.

Em meio à nova abordagem do governo, outro temor volta a crescer no mercado: uma possível saída do ministro da Economia, Paulo Guedes. Em entrevista ao canal Primo Rico que foi ao ar nesta terça-feira, 2, ele próprio falou da possibilidade. “Se tiver que empurrar o Brasil para o caminho errado, prefiro sair”, disse. 

“Paulo Guedes ainda representa o pensamento que tivemos na eleição do Bolsonaro, de um Estado mais enxuto, de reformas. Sua saída seria muito ruim em todos os aspectos. É difícil o mercado passar por toda essa turbulência sem colocar prêmio nos ativos. Não se tem mais certeza do que pode acontecer", diz Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da Órama.

Para o economista, dado o “mau humor atual”, o patamar do dólar está “bem precificado”. “Mas é evidente que se as coisas caminharem pior, o dólar pode ir para perto de 6 reais.”

Até os 6 reais, porém, a moeda ainda tem três pontos de resistência para serem superados, segundo Lucas Claro, analista do BTG Pactual Digital. Seriam eles: 5,77 reais, 5,90 reais e só então os 6 reais.

Para conter a valorização desenfreada da moeda americana, o Banco Central vem intensificando sua atuação no mercado de câmbio. Nesta terça, a autarquia fez dois leilões à vista, chegando a reduzir a alta que chegou a superar 1,5% no pregão. 

Mas, segundo Lucas Claro, essas intervenções já não estão surtindo o mesmo efeito. “O mercado está com menos medo do Banco Central nos últimos dias. Se falasse, semanas atrás, de ficar comprado com o dólar a 5,50 reais, haveria algum receio da atuação do Banco Central. Hoje a moeda bateu em 5,74 reais”, diz.

Exterior

Mas, além do cenário interno, o exterior também vem afetando a alta da moeda.

No início do ano, o esperado aumento de políticas de estímulo com a posse de Joe Biden nos Estados Unidos era um dos argumentos de quem defendia que iria acontecer a queda do dólar. Porém as consequências da injeção de dinheiro se tornou uma das ameaças à tese, com a perspectiva de inflação elevando os rendimentos dos títulos americanos de longo prazo ao maior valor em 12 meses na última semana.

“Os títulos americanos são conhecidos por serem a taxa livre de risco, o porto seguro do mundo. Se o título está pagando bem, o investidor vai alocar recursos lá em vez de em países emergentes”, explica Claro. 

Além do real, o peso mexicano, a rúpia indiana e o rand sul-africano acumulam perdas contra o dólar no ano, ainda que menores que as da moeda brasileira.

Com a possibilidade de a esperada liberação do pacote de 1,9 trilhão de dólares nos Estados Unidos gerar ainda mais cautela de investidores com a inflação americana, o desempenho de moedas emergentes pode piorar ainda mais. 

“Os Estados Unidos estão jogando dinheiro de helicóptero. Essa inflação não está tão distante. Isso é algo que também vem causando algum desconforto”, conta Espírito Santo.

“Se a inflação aparecer mais rapidamente do que se espera, bancos centrais do mundo todo vão ser obrigados a retirar os estímulos mais cedo”, diz Motta.

Alta de juros

No Brasil, a redução dos estímulos monetários já é esperada para a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), daqui a duas semanas, nos dias 16 e 17 março. As apostas variam de uma alta da taxa Selic de 25 pontos-base a 50 pontos-base, ou seja de 0,25 ou 0,50 ponto percentual. A taxa está atualmente em 2% ao ano.

Essa leve alta, segundo Claro, pode gerar algum alento ao mercado de câmbio. Isso porque, com os juros mais altos, o investidor estrangeiro teria um atrativo extra para investir na renda fixa brasileira, aumentando a oferta de dólares no país. 

“O mercado já não está precificando a não-elevação de juros. Quase todo o mercado já precifica 50 pontos-base de alta, principalmente por causa dos títulos americanos. Agora, é ficar de olho no comunicado [da decisão de juros] e ver se isso vai aliviar o câmbio ou não”, afirma.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.