Acompanhe:

Delta divulga resultado e antecipa desafios das aéreas pós-pandemia

Aumento de custos com petróleo mais caro e ameaça a voos internacionais com variante Delta da covid ajudam a explicar queda das ações apesar de forte retomada de voos domésticos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Delta divulga nesta manhã de quarta os resultados do segundo trimestre, na saída da pandemia nos Estados Unidos | Foto: Larry Downing/Reuters (Larry Downing/Reuters)

Delta divulga nesta manhã de quarta os resultados do segundo trimestre, na saída da pandemia nos Estados Unidos | Foto: Larry Downing/Reuters (Larry Downing/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 14 de julho de 2021 às, 06h15.

As notícias e as imagens de aeroportos cheios -- como costumava ser antes da pandemia -- no verão do Hemisfério Norte impulsionaram as ações das maiores companhias aéreas do mundo para patamares próximos ao pré-pandemia, certo?

Não é bem assim. No maior mercado ocidental, o dos Estados Unidos, as principais companhias engataram forte recuperação das ações entre o quarto trimestre de 2020 e o primeiro deste ano, mas, na maioria dos casos, as cotações passaram a cair de três meses para cá. Isso apesar do aumento da demanda, em especial no mercado doméstico.

E um caso exemplar das dificuldades ainda enfrentadas pelo setor será conhecido nesta manhã de quarta-feira, 14 de julho, com a divulgação do resultado do segundo trimestre da Delta, a maior companhia aérea americana.

O consenso de projeções em Wall Street aponta para um prejuízo por ação de US$ 1,37, com receitas de US$ 6,32 bilhões.

Três meses atrás, a Delta divulgou um prejuízo ajustado de US$ 3,55, maior do que as expectativas de mercado. Na ocasião, as ações da companhia com sede em Atlanta eram negociadas na casa de US$ 47. Desde então, o papel entrou em trajetória de queda, que se acumula em 14,2% na janela de três meses. E a Delta não está sozinha.

As três outras companhias -- American Airlines, United e Southwest -- que dominam o mercado americano estão com queda entre 10% e 18% no mesmo período de comparação. Veja abaixo as principais razões para a desvalorização, que serão também pontos aos quais analistas e investidores estarão atentos na divulgação do resultado da Delta:

  • Impacto da escalada do preço do petróleo e, consequentemente, do combustível de aviação nas despesas.
  • Viagens de negócios: no primeiro trimestre, a demanda ainda estava em patamar equivalente a 20% do que era antes da pandemia. Já há sinais de reação?
  • Viagens internacionais: Também está levando mais tempo para se recuperar. Haverá atenção para saber se o aumento do número de casos da variante Delta já afeta a demanda por destinos na Europa e na Ásia.
  • Recontratação de pilotos, comissários e demais funcionários: quais os custos envolvidos.

Últimas Notícias

Ver mais
As águas do Sul: conheça o Hotel das Cataratas, propriedade de luxo dentro do Parque Nacional
Casual

As águas do Sul: conheça o Hotel das Cataratas, propriedade de luxo dentro do Parque Nacional

Há 5 horas

Petrobras aumenta preço do querosene de aviação entre 8% e 8,5%
Economia

Petrobras aumenta preço do querosene de aviação entre 8% e 8,5%

Há 18 horas

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo
Mundo

Petróleo vira arma na guerra de Milei com governadores, expondo novas fissuras no governo

Há 20 horas

Produção total de petróleo e gás avança em relação a janeiro de 2023
Brasil

Produção total de petróleo e gás avança em relação a janeiro de 2023

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais